Preso pastor suspeito de abuso de enteada; vítima acusa mãe de ser conivente

145

A Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Valparaíso cumpriu, com apoio de policiais da 16ª Delegacia Regional de Polícia Civil (DRPC), mandado de prisão temporária em desfavor de R.L.A.F, 35 anos, e B.U.C.A, 31 anos. O primeiro é suspeito de cometer abuso sexual contra a vítima desde que esta tinha cinco anos. A segunda, mãe da vítima, teria conhecimento dos abusos, mas se omitiria. A ação se deu na terça-feira (06).

Em setembro de 2017, a família paterna da vítima registrou ocorrência na especializada, noticiando que a vítima havia revelado que sofreu abusos sexuais por parte do padrasto por mais de seis anos. Ainda segundo o relato da vítima, a mãe tinha conhecimento dos fatos e nada fazia para ajudá-la.

De acordo com o que informou a vítima, os abusos sexuais teriam sido iniciados quando ela tinha cinco anos de idade e consistiam em toques lascivos pelo seu corpo, os quais os autores tratavam como “brincadeiras”.

Após a vítima ter completado sete anos, os atos se teriam intensificado. O autor teria passado a entrar no quarto da criança e a beijado na boca, praticando outros atos libidinosos com ela, inclusive tentando consumar conjunção carnal.

Os abusos sexuais perduraram até o ano de 2015, quando a vítima já possuía 12 anos de idade. De acordo com ela, sua genitora já havia presenciado vários desses abusos e nada fazia para impedi-los ou para protegê-la.

Em 2017, a vítima revelou esses fatos a uma professora e à sua família paterna, que tomou as providências cabíveis ao caso. A titular da Deam de Valparaíso, delegada Ísis Santana Leal, representou pela prisão temporária dos autores, sendo a medida deferida judicialmente.

Constatou-se que os autores residiam na cidade de Rubiataba, onde atuavam como pastores de uma igreja evangélica. Diante disso, foi solicitado apoio de policiais civis lotados na 16ª DRPC, que prontamente verificaram a localização dos autores e cumpriram o mandado de prisão temporária. Já presos, os suspeitos foram recambiados para Valparaíso, onde ficarão à disposição da justiça.

Atuaram na operação os policiais civis Ithallo Brendow Chagas Ribeiro, Lidiane e Wliana de Lima Correa, coordenados pelo delegado Matheus Costa Melo, da 16ª DRPC, e os policiais civis Hélio Marreiros, Iudaci Morais, João Arcanjo e Sandra Teixeira, da Deam de Valparaíso.