Decar recupera mais 75 mil litros de combustíveis em nova etapa da “Líquido Dourado”

110

A Polícia Civil apresentou nesta segunda-feira (16/04), por meio da Decar (Delegacia Estadual de Reoressão a Furtos e Roubos de Cargas), o resultado da quarta fase da Operação Líquido Dourado, que tem sido realizada em parceria com a PRF (Polícia Rodoviária Federal).

De acordo com o delegado Alex Vasconcelos, na sexta-feira (13/04), os policiais componentes da Força Tarefa realizaram a prisão de Lucas Pereira, 31 anos, na cidade de Guapó, logo após ter praticado o roubo de um carregamento de 60 mil litros de etanol, fato ocorrido na cidade de Posselândia. Com Lucas foram encontrados peças e outros objetos do caminhão roubado.

O delegado relatou, ainda, que o combustível roubado foi localizado em um posto de combustível na cidade de Maurilândia e restituído à vítima. Vasconcelos afirmou que também foi possível identificar outro suposto autor do crime, Rodrigo Fernandes Goulão de Almeida, mas ele segue foragido.

Durante as investigações foi possível apurar que Lucas e Rodrigo foram os autores do roubo de uma caminhonete em um shopping center da cidade de Goiânia, veículo com o qual já praticaram outros roubos em rodovias.

Já no sábado (14/04), os policiais realizaram a prisão de Carlos Alberto Ferreira Costa, de 51 anos, e de Carlos Azevedo de Jesus, de 45 anos, na posse de 15 mil litros de óleo diesel que haviam sido roubados poucas horas antes próximo a Cezarina. No momento da prisão, Carlos Azevedo realizava o bombeamento de parte do combustível para um tanque clandestino em seu estabelecimento comercial localizado no Residencial Alphaville, em Goiânia. Além do crime de receptação, ele responderá por crime ambiental, pois mantinha combustível em local impróprio, causando dano ao meio ambiente e à coletividade em geral.

Alex Vasconcelos destacou que, apenas este mês, foi possível recuperar 100 mil litros de combustível roubado e prender cinco pessoas, além de solicitar a interdição de dois postos de combustíveis que receptaram o produto de origem ilícita. “Vale consignar que outros autores já foram identificados, sendo que as medidas judiciais cabíveis já foram pleiteadas pela Polícia Civil”, concluiu.

A operação batizada de Líquido Dourado teve início no mês de setembro de 2017 e, desde então, já prendeu mais de trinta pessoas que, juntas, já causaram um prejuízo que supera a cifra de R$ 16 milhões.