Delegado de Posse arbitra fiança no valor de R$ 30 mil para motorista preso por embriaguez

Publicado em 05/04/2013 -
Fonte: A A A

A  Polícia Civil de Posse intensificou, no feriado da Semana Santa, do dia 29 a 31/03, os trabalhos em busca de motoristas conduzindio veículos embriagados que estariam, assim, infringindo o artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro. O Delegado Fernando Luiz Takemoto Zibordi, titular da Delegacia de Polícia daquele município, disse que o trabalho realziado resultou na lavratura de seis flagrantes.

No dia 29/03, sexta-feira, Adriano de Souza Bastos foi preso, pagou uma fiança no valor de R$ 7.000 e liberado, conforme determina a legislação. Outro preso,  Nilton Cartano de Souza Santos, também pagou R$ 7.000 de fiança, e ganhou a  liberdade para responder o proceso em liberdade. No sábado, dia 30/03, Edmar Pereira Lima não pagou a fiança, arbitrada em R$ 10.000, e permaneceu preso.

No domingo, dia 31/03, Geraldo Martins dos Santos ficou preso também por não pagar a fiança de R$ 7.000.  Preso também no domingo, Fabrício Rosso Pacheco foi liberado. Antes treve que pagar R$ 30.000 de fiança, a maior já estabelecida entre todas as Delegacias da  Regional de Posse.

Delegado Fernando Luiz Takemoto

FernandoLuiz disse ainda que Edmar Pereira compareceu na Delegacia de Polícia embriagado. Ele estava procurando informações sobre o paradeiro de sua mãe, que estava naquela unidade polícial como vítima de uma lesão corporal. Quandoo Edmar entrou nas dependências da Delegacia de Polícia, percebeu-se de imediato que estava em considerável estado de embriaguez, exalando de longe o cheiro da bebida alcoólica. Em seguida, Edmar foi solicitado para se retirar do recinto, uma vez que estava causando balbúrdia no atendimento. Quando saiu, foi em direção a um veículo modelo Monza, onde se encontravam outras duas pessoas.Deu a partid a e sai dirigindo, mesmo embriagado.

Fernando Luiz Takemoto Zibordi entrou na viatura da Polícia Civil e perseguiu o Edmar. Após várias quadras, abordou o condutor e o conduziu para a Delegacia de Polícia, onde foi lavrado auto de prisão em flagrante e arbitrada fiança. Como não fez o recolhimento do valor arbitrado pelo Delegado, foi encaminhado para o presídio municipal. Edmar negou-se a fazer o teste de bafômetro.

Durante a madrugada de sábado para domingo, momento em que estava ocorrendo um evento festivo em Posse, um rapaz procurou a Polícia Civil, informando que havia sido agredido por um dos seguranças do evento e expulso do local. O Delegado Fernando Takemoto e o Agente de Polícia Marcos Henrique Rodrigues Moreira foram até o local para averiguar a situação. Em uma rua de mão dupla, após terem estacionado a viatura, se aproximou um veículo esportivo da marca Land Rover parou ao lado da e, em tom de arrogância e ousadia, ordenou que fosse baixado o vidro do veículo.  Marcos Henrique desceu da viatura, o condutor da Land Rover ainda mandou apagar as luzes do carro, dizendo que estava lhe incomodando.

Assim, que o Delegado saiu da viatura o policial  o informou da reclamação. Ao se aproximarem do veículo os policiais perceberam que o condutor da Land Rover, identificado como Fabrício Pacheco, estava com voz em tom pastoso e apresentava certa agressividade comportamental. De imediato, os Policiais se identificaram e ordenaram que o condutor do veículo mencionado descesse. Indagado  se havia ingerido bebida alcoólica, negou de pronto, momento em que tentou efetuar ligações em seu telefone celular na tentativa de intimidar com eventuais influências de ordem política ou amizade que pudesse ter na cidade.

Fabrício Pacheco foi convidado para realizar teste de bafômetro no quartel da polícia militar, tendo aceito de imediato uma vez que alegava não ter ingerido nenhuma quantidade de bebida alcoólica. Chegando no Quartel, Fabrício negou-se a realizar o teste, demonstrando mais uma vez o receio de que fosse descoberto pelol teor de alcool que havia ingerido, dando a entender que havia bebido.

Fabrício foi conduzido para a Delegacia de Polícia, onde fora lavrado o auto de prisão em flagrante, sendo ao final arbitrado a fiança no valor de R$ 30.000 (Trinta mil reais), em razão da situação sócio-econômica do conduzido sugerir referido valor, bem como as circunstâncias em que ocorrera o delito, perto de várias pessoas aglomeradas e em uma pista com apenas uma única mão disponível para a passagem. Fabrício pagou a fiança e foi colcoado e liberdade.

Durante os três dias da operação realziada pela Polícia Civil, foram arrecadados para os cofres públicos um total de R$ 51.000,00 em fianças. Fernando Luiz Takemoto Zibordi acrescenta que a embriaguez ao volante será reprimida de forma intensa e bastante exemplar, com tolerância zero para estes tipo de conduta.

Ilustração: Google

Fonte: A A A
Publicado por:


Espalhe na rede

Desenvolvido por - GIT