GIH de Luziânia conclui investigações sobre feminicídio

Publicado em 19/05/2017
Fonte: A A A

Zinho, Jonhs e Denilson

Zinho, Jonhs e Denilson

A Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Luziânia, concluiu a investigação sobre o crime de feminicídio que vitimou Taís Alves Pereira, de 19 anos, ocorrido no início de 2017, no bairro Parque Sol Nascente, em Luziânia. O corpo da vítima foi encontrado no dia 31 de janeiro, num terreno descampado do referido bairro.

Quando encontrado, o corpo de Taís estava em avançado estado de decomposição, mas o laudo pericial atestou morte por disparo de arma de fogo na região da cabeça. O trabalho de investigação da Polícia Civil perdurou por quatro meses e apontou responsáveis e motivação do crime.

Francisco Oliveira Santos, de 26 anos, vulgo “Zinho”, foi identificado como executor dos disparos. Dois partícipes do crime também foram detidos, Jonhs Mariano de Sousa e Denilson de Oliveira Sousa, simultaneamente, o dono do carro utilizado no crime e o marido de Taís, que teria encomendado o crime por conta de uma suposta traição da esposa.

Em razão das supostas traições praticadas pela jovem, eles arquitetaram a empreitada criminosa. Dois veículos, que teriam sido utilizados para prática do crime, foram submetidos a exame pericial, cujo laudo definitivo ainda é aguardado pela Polícia Civil, a fim de verificar a presença ou não de sangue da vítima em seus interiores. O mesmo expediente foi realizado na residência da vítima, para confirmar sinais de violência e manchas de sangue no local.

Como Zinho também é investigado pela prática de outro homicídio ocorrido em Luziânia, a Polícia Civil requisitou exame pericial de confronto balístico, a fim de comparar os projéteis extraídos dos corpos das vítimas e comprovar as semelhanças. Também foi solicitada a quebra do sigilo telefônico dos envolvidos, cuja análise será procedida com auxílio do departamento de inteligência da Polícia Civil e, posteriormente, remetida ao Poder Judiciário local.

Os três foram indiciados por homicídio triplamente qualificado e se encontram recolhidos temporariamente no presídio local. O delegado Maurício Passerini representou pela conversão das prisões temporárias em prisões preventivas, de modo que os criminosos respondam ao processo presos.

Fonte: A A A
Publicado por:


Espalhe na rede