Medo de andar à noite

548
Jesseir Coelho de Alcântara, juiz de Direito e professor.
Jesseir Coelho de Alcântara, juiz de Direito e professor.

O brasileiro tem medo de andar à noite e pesquisa aponta que a população no Brasil é a que mais teme sair na rua depois de escurecer. Em uma comparação entre moradores de 36 países, nós somos os que se sentem menos seguros ao caminhar à noite, segundo um relatório divulgado pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Na comparação entre os países analisados, o Brasil tem a mais alta incidência de mortes por agressão. De acordo com os dados do relatório, a  nossa taxa de homicídios, de 25,5  por 100 mil habitantes, é cerca de seis vezes superior à média da OCDE, de 4 por 100 mil habitantes. É violência mesmo, conhecida como noctifobia.

Goiânia, a bela capital dos goianos, não foge à regra. Com o clima noturno favorável a frequentar bares e restaurantes, beliscando um tira gosto e ingerindo uma bebida gelada nas calçadas, os goianienses estão fugindo desse lazer cada vez mais, deixando a cidade mais triste e vazia no luar por causa dos arrastões e roubos. O que antes era considerado como refúgio tornou-se amedrontador. Mulheres estão se esquivando de andar a pé sozinhas em ruas e avenidas, temerosas de serem vítimas de estupro e assaltos. Deixar o carro estacionado em lugar ermo e escuro, fatalmente é querer ficar sem ele. Parar em um semáforo a noite é tormenta na certa, principalmente se um motoqueiro ficar ao lado. Usar um caixa eletrônico para sacar um dinheiro numa emergência é pedir para ser vítima. Falar ao celular em público e descuidado, corre-se o risco de nunca mais ver o aparelho.Trabalhar no período noturno dependendo do lugar é viver em tensão constante. Andar de ônibus na cidade depois das 18 horas é viver sob fogo cruzado, literalmente.Não está fácil para ninguém durante o dia, imagine para um notívago. Hoje é perigoso entrar em bairros pobres que têm pouca iluminação e pouco policiamento. Entrou, morreu. Pânico total.

Agora vem a pergunta? Por que tem acontecido tanta tragédia em nosso meio? São inúmeras as respostas para a questão, mas algumas ocorrem de maneira mais evidente: falta de políticas públicas de educação e conscientização, policiamento preventivo deficitário, tráfico de drogas crescente a cada dia, leis frouxas para combater a criminalidade, impunidade constante e descaso do poder público com a segurança pública. Evidentemente que existem muitas outras.

A sociedade virou refém da bandidagem que fica solta, principalmente a noite, perambulando na criminalidade, e o homem de bem trancafiado em sua própria casa, que é seu asilo inviolável, correndo o risco também de lá ser importunado pela malandragem safada. Se em seu lar há risco, imagine andando sem proteção pelas ruas e avenidas da cidade. Não é brincadeira. É sério e muito preocupante.

Assim, o medo de andar à noite assola o cidadão cada vez mais. Que tristeza! Brasil, meu Brasil brasileiro…