Milhão por prisão: O crime compensa?

562
Jesseir (2)
Jesseir Coelho de Alcântara

Milhão por prisão: O crime compensa?

 Infelizmente devido a impunidade que grassa em nosso país o brasileiro inescrupuloso pensa que compensa uma prisão por ter ganhado um milhão na matemática do crime. É triste, mas é verdade. A razão de tal pensamento nefasto está voltada ao ordenamento jurídico que possui leis frouxas e inadequadas e a um garantismo legal exacerbado. O editorial de um jornal mencionou: “As penas são brandas, a legislação dúbia permite interpretações diferentes, a justiça é lenta, a polícia incompetente, os políticos saem impunes, sempre é possível recorrer, e por tudo isso ninguém respeita as leis”.

No Brasil, um criminoso de colarinho branco comete inúmeras falcatruas, corrupções, desfalques e fraudes e, muitas vezes, se apodera de um grande patrimônio e de dinheiro sujo, torna-se um milionário, porém passa por sua imbecil cabeça que tudo isso vale a pena porque não vai preso e, se for, em muitas ocasiões é “de araque”. Esperto!!! Além da custódia deveria devolver tim-tim por tim-tim da roubalheira do dinheiro surrupiado nas negociatas. O compositor Léo Jaime aponta uma triste realidade quando escreve em uma de suas composições: “O crime é a maior diversão, o crime compensa e recompensa”. Essa verdade acaba favorecendo a desonestidade, aos larápios e malandros.

O Brasil inteiro acompanhou recentemente o processo criminal do mensalão em andamento no Supremo Tribunal Federal. Após toda a tramitação e acusados políticos condenados, muitos nem foram presos e outros, que tiveram prisão decretada, ficaram algum tempo na Penitenciária, mesmo que no regime semiaberto, porém agora já borboleteiam por nossas terras, livres e soltos, com uma enorme cara de pau. A bola da vez agora é a operação lava-jato da Petrobras. Muita ansiedade com os resultados das ações penais.

Em outra esteira vemos os traficantes de drogas envolvidos no lucro fácil. Muitos arrecadam fortunas com essa prática criminógena, mas perigosa. Parecem ter a consciência cauterizada. Arriscam-se, mas pensam que vale a pena, mesmo aquela proferida no processo criminal.

O que precisamos ter em mente e aplicar com afinco é que temos urgência em restaurar a moralidade, mesmo que haja necessidade de mudar algumas leis brasileiras e impor segurança pública e justiça. A Lei Anticorrupção está aí para ser aplicada. Outras legislações devem ser usadas para punição aos infratores. É evidente que só condenação no âmbito criminal não irá resolver o problema da criminalidade. O País precisa de mudança de cultura, carece de investir em educação e conscientização, o cidadão deve deixar de achar que a Lei de Gérson (tirar vantagem em tudo passando os outros para trás) deve ser a meta, líderes em todas as áreas de atuação devem ser sérios, honestos e probos.

O crime não compensa, pois não leva a lugar algum. Aliás, pode levar à morte. Bandidos acham que ganhar dinheiro no mundo do crime é fácil e podem até ganhar bem, mas a vida estará sempre em risco. Não vale a pena…literalmente.

                                                                Jesseir Coelho de Alcântara é Juiz de Direito e professor