Quando a técnica orienta a política

416

Delegado Daniel Felipe Diniz Adorni

            Quando a técnica orienta a política

Atuar como líder de um governo e chefiar a administração de um ente federado devem ser sempre uma honra e um ato extremo de responsabilidade, amor e compromisso.

Coração aberto para entender as reais demandas do povo e cérebro afiado para articular e executar as respostas são órgãos gêmeos de uma administração moderna, factível, necessária e humana.

As características que muitos insistem em separar devem atuar de forma harmônica, presentes em cada milésimo de segundo da atuação do líder.

O coração precisa ouvir, conhecer, entender, diagnosticar, e ao cérebro cabe analisar, ponderar, equalizar o objetivo que o coração determinou, transformando sonhos e anseios em realizações, a mágica do possível tomando lugar da pirotecnia embromatória.

Como testemunha interna e privilegiada da atual administração do Estado de Goiás, me permito relatar o que tenho presenciado.

Desde o início deste atual governo inúmeras iniciativas para melhor entender o cidadão goiano e a máquina pública têm sido tomadas. Por meio de parcerias com o setor privado, gratuitas ao erário, diversas consultorias passaram a permear a administração com o fim de diagnosticar potencialidades e falhas na condução técnica da gestão do Estado.

Por determinação do senhor governador Marconi Perillo, um enorme esforço foi feito ao longo dos primeiros anos de governo pela SEGPLAN para que um raio-X da gestão fosse realizado, paralelo a serviços de mapeamento de processos em todos os órgãos e feitura de programas de planejamento estratégico.

Na Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO) e, mais especificamente, na Polícia Civil, isso não foi diferente. Debruçamos-nos sobre nossa cultura do passado, investigamos nossas condições de presente e passamos a vislumbrar nosso futuro, para então, sob orientação do governador, elaborarmos nosso plano de melhorias de gestão.

Nesse período tivemos condições de entender nossas dificuldades, reconhecer nossa força e detalhar o que fazer para unir estes dois polos que, separados, nos afastam de nossa função, atender com dinamismo, eficiência e zelo quem nos procura.

Hoje podemos anunciar os enormes esforços que estão em andamento para colocar a Polícia Civil goiana no patamar que os seus servidores e o povo goiano merecem.

Aquisições recordes de mobiliário e computadores estão sendo finalizadas ainda neste mês, dando possibilidade de renovação de praticamente 50% de nossos recursos materiais ainda neste semestre.

Está em andamento na SSP-GO o maior projeto de reformas de delegacias já feito no Estado. Mais de R$ 10 milhões foram disponibilizados para este ano e há sinalização de outros repasses para 2014. O padrão de atendimento Vapt-Vupt será instalado paulatinamente nas unidades policiais.

Está em fase final o maior concurso público já realizado pela nossa Academia de Polícia Civil, iniciativa pessoal do Governador Marconi, que já autorizou abertura de novas vagas para o ano que vem, o que, ao final deste seu governo atual, permitirá que a PC tenha em seus quadros efetivo recorde em sua história.

Tudo isso se soma às lições de gestão que emanam da SEGPLAN e que foram absolutamente absorvidas pela atual administração da Polícia Civil. Planejamento Estratégico e equipe de gestão estratégica instalada, escritório de processos atuante, núcleo de análise criminal orientando tecnicamente a gestão, interiorização da administração policial civil com a criação de novas unidades administrativas regionais, entre outras práticas em curso.

O que me alegra como cidadão goiano é ver que o experimentado político Marconi Perillo convive muito bem com o técnico Marconi Perillo, e com outros técnicos abnegados que compõem seu governo, e o resultado disso é a formatação de um novo ser, que muito pode contribuir ainda com o Estado de Goiás, o gestor Marconi Perillo.

Daniel Felipe Diniz Adorni é Delegado Geral Adjunto da Polícia Civil de Goiás

Artigo publicado na edição de 23.10.13, do jornal Diário da Manhã