Cibernéticos prende três pessoas em flagrante por aplicar golpe em casal via whatsapp; prejuízo às vítimas foi de quase R$ 16 mil

123

A Polícia Civil de Goiás, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (DERCC), foi procurada, na manhã de ontem (07), por um casal de 58 e 60 anos de idade que havia sido vítima de golpe aplicado via mensagens de WhatsApp. Os criminosos se identificaram como sendo o filho de casal, que é auditor fiscal, e ostentavam uma foto dele no perfil do aplicativo de mensagens.

Após algumas trocas de mensagens, os criminosos que se identificaram como sendo o filho da vítima afirmaram que sua conta bancária estava bloqueada e, por isso, precisavam de auxílio financeiro dos pais. As vítimas então realizaram três transferências bancárias, que totalizaram R$ 15.898,00 (quinze mil oitocentos e noventa e oito reais).

Ocorre que, apesar do lucro já obtido no golpe aplicado contra o casal, os criminosos continuaram se passando pelo filho deles e pediram mais valores. Acionada, a equipe da DERCC diligenciou e conseguiu identificar, localizar e prender em flagrante delito três criminosos envolvidos no golpe. Dois deles são proprietários das contas por meio das quais os valores foram recebidos e o terceiro autuado foi um dos responsáveis por conseguir a locação de tais contas bancárias.

Além disso, outros dois envolvidos também foram identificados e a Polícia Civil representará judicialmente pela decretação da prisão preventiva de ambos. Os presos foram autuados pelos crimes de estelionato majorado por ter sido contra idoso e associação criminosa. Eles seguem agora à disposição do Poder Judiciário.

A Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (DERCC) alerta que, não obstante a realização incessante de ações policiais, que resultaram na prisão de diversos envolvidos na prática de golpes via WhatsApp, os estelionatos continuam a ser praticados. Portanto, recomenda-se que os usuários do aplicativo de mensagem, ao receberem pedidos de transferências bancárias, mesmo que em nome de familiares e amigos, não devem realizar qualquer disponibilização do valor pecuniário sem que antes verifiquem se o pedido realmente é oriundo daquela pessoa que está se identificando por meio do perfil de WhatsApp.