DIH apresenta autores de matar e decaptar homem em Goiânia

640

A Polícia Civil do Estado de Goiás apresentou nesta terça-feira (05) a conclusão da investigação que apurou a morte de Erivaldo Ferreira da Rocha. O crime aconteceu no dia 13 de janeiro último, na Avenida Perimetral Norte, em Goiânia. Erivaldo foi morto na casa de um dos investigados e teve a cabeça decaptada. O corpo foi encontrado no córrego Meia Ponte.

O crime levou 22 dias para ser desvendado pela Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), que apontou seis pessoas como autores do homicídio: Luciano M. Fonseca foi preso hoje; Matheus Máximo e Maurício Máximo, que são irmãos, foram presos no dia 03 de fevereiro; e Edson Dener foi preso no dia 04 de fevereiro e é irmão de Denis Peterson, que já estava detido na Penitenciária Odenir Guimarães (POG). O sexto autor é conhecido como “Pombo” e foi morto no dia 25 de janeiro. Quatro deles foram apresentados hoje à imprensa. Luciano, segundo as investigações, é o executor. Ele teria utilizado um cerrote para cortar a cabeça da vítima. Todos os presos, ao contrário da vítima, já tinham passagem pela polícia.

A motivação do homicídio está ligada ao tráfico de drogas. As duas duplas de irmãos, ambas de uma facção criminosa, tentaram matar a tiros Erli Ferreira da Rocha, conhecido como “Baiano” e ligado a facção rival. Erli é fornecedor de drogas e irmão de Erivaldo Ferreira da Rocha, que foi decaptado.

Durante apresentação no auditório da secretaria de Segurança Pública, a delegada titular da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH) Silvana Nunes disse que “houve a demonstração da disputada de uma facção sobre a outra pelo domínio do tráfico”.