DIH prende mulher que teria determinado a facção que arrancasse a cabeça de outra mulher; morte foi evitada

210

A Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), cumpriu, no dia 20 de maio do corrente ano, mandado de prisão temporária em desfavor de uma mulher de 21 anos que teria solicitado a membros de uma facção criminosa que arrancasse a cabeça de uma mulher que ela pensava ser testemunha em procedimentos na DIH. A ação policial evitou a concretização do crime.

A prisão é um desdobramento da Operação Incendiários, realizada em abril último, em que são apurados diversos crimes de homicídio nos setores Orlando de Moraes e Antônio Carlos Pires, nos quais as vítimas eram carbonizadas. A mulher presa é enteada do chefe da organização criminosa responsável pelas mortes naqueles setores, e teria tramado a morte de uma mulher que, para ela, teria atuado como testemunha na primeira parte da operação.

Durante a investigação, a polícia apurou que após a prisão de sua mãe, que pertence a mesma organização criminosa responsável pelos homicídios, a suspeita teria entrado em contato com seu padrasto, apelidado de “Baiano”, que está preso na cidade de Goianira, e determinado a morte dessa suposta delatora, chegando a encomendar que a cabeça da vítima fosse arrancada e apresentada em uma bandeja, como forma de comprovação da execução.

Diante dos fatos, a autoridade policial representou pela prisão temporária e de busca e apreensão domiciliar no endereço da investigada, que agora encontra-se à disposição do Poder Judiciário.