Dois suspeitos de homicídio a mulher que estava desaparecida são presos; Deic faz buscas pelo corpo

294
Ronaldo

A Polícia Civil de Goiás, através do Grupo Antissequestro (GAS), da DEIC, apresentará os resultados da investigação do homicídio de Lilian de Oliveira, desaparecida desde 13/02/20, quando retornou ao Brasil vinda de Medellin, na Colômbia. Os dois autores, Jucelino Pinto Fonseca e Ronaldo Rodrigues Ferreira, encontram-se presos pelo delito.

Ronaldo Rodrigues, pessoa que buscou a vítima no aeroporto de Goiânia em um veículo Fiat/Strada, é residente na cidade de Araguaína/TO e estava a caminho de Salvador/BA. Através de monitoramento, a equipe do Grupo Antissequestro (GAS) tinha a informação de que, na noite do dia 27/05/20, Ronaldo parou para dormir em um hotel na cidade de Buriticupu/MA. A equipe da DEIC entrou em contato com a Polícia Civil daquela cidade, informou a exata localização do alvo e enviou cópia do mandado de prisão, sendo este cumprido na manhã seguinte.

Jucelino

Já na data de 28/05/20, foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas residências de Jucelino Pinto Fonseca e Cleonice Fátima Ferreira, na cidade de Pires do Rio/GO, onde foram encontradas arma de fogo em ambas as residências. Os dois foram autuados pelo crime de posse ilegal de arma de fogo e colocados em liberdade após pagamento de fiança.

Como resultado das diligências, foi expedido mandado de prisão em desfavor de Jucelino, cumprido na noite de 29/05/20. Ele confessou a prática do homicídio de Lilian de Oliveira com o auxílio de Ronaldo Rodrigues.

A motivação do crime está ligada a questões afetivas e patrimoniais. Jucelino possuía uma filha de 4 anos com a vítima e mantinha a informação em sigilo da família e da esposa. Ele mantinha tanto a filha quanto Lilian financeiramente (pagava gastos, aluguel de apartamento, aluguel de carro etc) e estava incomodado por isso, pois ainda nutria sentimentos pela vítima, tendo ciúmes e sentimentos de posse. Afirma que estava se sentindo “feito de trouxa”, já que a Lilian estava com outra pessoa, tendo inclusive viajado para a Colômbia para encontrá-lo.

Jucelino também lamentava com Ronaldo, seu amigo e pessoa que prestava serviços para ele em seu laticínio, em Pires do Rio, dizendo que precisava resolver aquela situação de uma vez por todas. Ronaldo tinha uma dívida com Jucelino, de cerca de vinte a trinta mil reais referentes a adiantamentos, serviços pagos e não prestados, empréstimos etc. Disse que resolveria o problema, matando Lilian e que tal “serviço” quitaria a dívida.

As diligências da Delegacia Estadual de Investigações Criminais agora continuam apenas para efetuar a localização do corpo da vítima.

A exibição da imagem dos indiciados segue em atenção à Lei n.º 13.869, dos responsáveis pela investigação, especialmente porque visa o surgimento de novas provas e testemunhas dos homicídios em testilha.