Dominus Cecidit: cinco são presos em GO e MT por furto a comércios

122

A Polícia Civil de Goiás, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (Decar), em trabalho conjunto com a Polícia Militar goiana e a Polícia Civil de Mato Gross – Delegacias de Querência, Água Boa e Canarana – realizaram operação contra uma associação criminosa especializada em furtos a estabelecimentos comerciais em Querência (MT) e região nessa terça-feira (14). A Operação Dominus Cecidit resultou na prisão de cinco investigados.

Após uma sequência de furtos na região, dentre eles a uma loja de produtos e roupas na cidade de Querência, de onde os suspeitos subtraíram aproximadamente R$ 70 mil em mercadorias, iniciou-se uma investigação coordenada pela Delegacia de Querência, a qual identificou parte dos integrantes, bem como seu modus operandi.

Os suspeitos furtavam as mercadorias, geralmente em depósitos e as despachavam via transportadora a partir da próxima cidade em seu deslocamento, como forma de despistar a ação investigativa. A maioria dos suspeitos são de Goiânia, onde inclusive alguns possuem lojas onde revendiam os produtos furtados.

Nos últimos três dias, os suspeitos retornaram à região, ocasião em que praticaram novos furtos, dentre eles em uma transportadora na cidade de Água Boa, tendo despachado as mercadorias em ônibus partindo de Canarana e Querência. Porém quatro deles foram presos em flagrante na cidade de Querência, sendo que dois deles já possuíam mandados de prisão expedidos pela comarca de Querência e um terceiro, que usava documento falso, e também possuía três mandados de prisão expedidos em seu desfavor pelo Poder Judiciário goiano. Um quinto suspeito foi preso em flagrante na cidade de Goiânia, quando recebia as mercadorias furtadas e enviadas através da empresa de ônibus.

Os prejuízos causados pelos criminosos são estimados em aproximadamente R$ 300 mil. Após os procedimentos legais, os presos foram encaminhados para o presídio de Água Boa (MT), onde permanecerão à disposição da Justiça. As investigações continuam, de modo a identificar possíveis outros integrantes da associação criminosa.