Homem é preso suspeito de vender falsos planos de saúde em Goiânia

625

Um homem de 26 anos foi preso suspeito de vender planos de saúde falsos, em Goiânia. Marlos Luz da Silva Júnior cobrava até R$ 1 mil pelo serviço que nunca existiu. Uma das vítimas, Jovenil Ramos, 53, acabou caindo no golpe e morreu a espera de uma consulta para tratar problemas cardíacos. A polícia apura se a atitude de jovem foi responsável direta pelo óbito.

Marlos foi preso na última quinta-feira (17), em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. Ele também é suspeito ofertar falsas vagas em cargos públicos, prometendo um salário de R$ 4 mil e pelas quais cobrava valores de até R$ 1 mil, supostamente para pagar um curso de gestão em segurança pública, suposto requisito para o cargo.

“Ele confessou o crime, mas ele tenta, de alguma forma justificar a prática disso. Ele alega que não vendia o plano. Ele diz que pedia essa contribuição para tentar usar de uma suposta influência política que tinha em hospitais e redes de saúde”, conta o delegado Cássio Arantes do Nascimento,  da Delegacia de Investigações Criminais (Deic), responsável pelo caso.

As investigações começaram logo após a família de Jovenil registrar na polícia uma ocorrência contra Marlos. Durante a investigação, os policiais descobriram que ele tinha outras dez passagens por estelionato, pela venda de falsos cargos públicos. De acordo com as investigações, ele se dizia correligionário de um partido político e tinha disponíveis 43 vagas com salários de R$ 4 mil cada. No entanto, assim como o plano de saúde, tais vagas de emprego nunca existiram.