Indivíduo de alta periculosidade, suspeito de assalto a carro-forte no Pará, é preso pela Polícia Civil de Goiás

179

A Polícia Civil de Goiás, por meio do Grupo Antirroubo a Bancos (GAB), da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC), em apoio a operação desencadeada pela Delegacia de Repressão a Roubos a Banco e Antissequestro (DRRBA) do Estado do Pará, efetuou, na última quinta-feira (04), a prisão cautelar de um homem de 33 anos. Ele estava em uma residência localizada no Setor Aeroporto Sul, em Aparecida de Goiânia, na companhia da esposa e não ofereceu resistência à sua detenção. Contra ele foi cumprido o mandado de prisão preventiva expedido pelo juízo da comarca de Marabá (PA).

O indivíduo é investigado pela participação no ataque a um carro-forte de empresa de transporte de valores. O ataque ocorreu no dia 31 de agosto de 2019, na rodovia estadual PA-150, entre os municípios de Marabá e Eldorado dos Carajás, no Pará.

Na ocasião, um grupo criminoso fortemente armado atacou o veículo de transporte de valores utilizando fuzis e um rifle .50, bem como explosivos para detonar o cofre, a fim de subtrair os valores e fugir em seguida. No dia dos fatos, o chefe do grupo criminoso foi localizado e, após confronto com policiais no município de Tailândia (PA), foi a óbito.

Outros 5 mandados de prisão foram cumpridos, no decorrer da operação, realizada no dia 04 de junho, nos estados do Pará, Paraíba e Pernambuco. Durante o cumprimento de um dos mandados, em Marabá, foram encontradas, na residência da esposa de um dos suspeitos, diversas munições de fuzil calibre .556 mm, motivo pelo qual ela foi autuada em flagrante delito por posse de munições.

Chama a atenção o fato do investigado preso em Goiânia já ter sido detido em flagrante delito, no dia 26 de maio deste ano, na GO-080, transportando de Marabá (PA) para o estado de Goiás um fuzil calibre .50, arma utilizada em ações de roubos a carro-forte e roubo a banco e capaz de derrubar aviões. Isso demonstra sua alta periculosidade. Naquela data, o suspeito foi colocado em liberdade após audiência de custódia.

Com o cumprimento da prisão preventiva, o investigado foi encaminhado para a Casa de Prisão Provisória (CPP), à disposição da Justiça paraense. Ele deve ser recambiado para o Pará, o que ainda não tem data definida.