GREF/DEIC cumpre dois mandados de prisão e prende mais quatro em flagrante por estelionato

142

A Polícia Civil do Estado de Goiás, por intermédio do Grupo de Repressão a Estelionatos e outras Fraudes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GREF/DEIC), cumpriu um mandado de prisão preventiva, um mandado de prisão temporária e prendendo 04 pessoas em flagrante pela prática do crime de associação criminosa e estelionato eletrônico em desfavor de idoso.

Na manhã do dia 1º deste mês de julho, os policiais civis cumpriram mandado de prisão preventiva em desfavor de um indivíduo de 31 anos, reeducando do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, suspeito de integrar uma associação criminosa voltada para a prática do crime de extorsão. O preso é suspeito de ser justamente o integrante do grupo criminoso que, mesmo atrás das grades, entrava em contato com as vítimas, geralmente idosas, via telefone celular, e se passava por policial militar. Em seguida, dizia ter prendido em flagrante um ente querido da vítima e exigia uma vantagem indevida para não efetivar a prisão em flagrante. Uma senhora idosa acabou sendo constrangida e foi vítima do golpe no dia 07/06/2021, mas os policiais civis do GREF/DEIC conseguiram prender, no mesmo dia do crime, o beneficiário dos valores, desmantelando, assim, o grupo criminoso. Além disso, os investigados tiveram suas contas bancárias bloqueadas e valores sequestrados mediante ordem judicial.

No período vespertino, os policiais civis do GREF/DEIC, com apoio da Delegacia de Polícia (DP) de Goianira, cumpriram mandado de prisão temporária em desfavor de um suspeito de fazer parte de uma associação criminosa voltada para a prática do crime de estelionato na modalidade “golpe do novo número”. Nessa investigação, que se iniciou no mês de janeiro de 2021, o preso, de 21 anos, é suspeito de ter cooptado duas mulheres para fornecerem as contas bancárias para o recebimento de valores obtidos mediante fraude. Na ocasião, a fraude foi perpetrada no mesmo dia, em desfavor de duas vítimas, uma delas idosa e outra irmão de um delegado de Polícia Civil do Estado de Goiás. Além de ser investigado por agenciar os fornecedores de contas bancárias, o indivíduo preso é suspeito de ser o elo entre os beneficiários dos produtos dos crimes e os integrantes do grupo que fazem os contatos com as vítimas, via rede social, e efetivamente aplicam o golpe. Segundo as investigações, o suspeito chegava a girar cerca de R$ 25 mil por semana nas contas bancárias, arrecadando 30% de todo o produto do crime. Além da prisão temporária, o investigado também teve suas contas bloqueadas e valores sequestrados mediante ordem judicial.

Após a prisão desse suspeito, os investigadores descobriram que ele e outros três comparsas haviam cometido, na manhã do dia 30/06/2021, um estelionato eletrônico em desfavor de uma vítima idosa, residente no Estado do Mato Grosso do Sul. Nesse crime, o grupo obteve, de forma indevida e mediante fraude, a quantia R$ 2.850,00. Segundo restou apurado, um dos integrantes da associação criminosa se passou pelo filho da vítima e solicitou a transferência do valor para conta de um de seus comparsas. Este, após receber o numerário, realizou uma série de transferência para outros asseclas. Os investigadores, então, identificaram, localizaram e prenderam os outros 03 integrantes do grupo criminoso: um homem de 37 anos, o filho de 21 e uma mulher 22, justamente os responsáveis pelo recebimento e fracionamento dos valores em uma série sucessiva de transferências bancárias.

Os investigados foram autuados em flagrante delito pela prática dos crimes de estelionato eletrônico perpetrado em desfavor de idoso e associação criminosa, infrações penais com penas que, somadas, podem chegar a mais de 11 anos de reclusão.