Operação da Deic evita grupo criminoso de explodir caixas eletrônicos

223

Os policiais civis do Grupo Antirroubo a Banco (GAB), núcleo investigativo da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC), após informações que davam conta da negociação de uma grande quantidade de artefatos explosivos industriais já preparados para serem usados por uma associação criminosa em explosões de caixas eletrônicos nesse fim de semana, deflagraram, na tarde de sexta-feira (12), operação policial que culminou na prisão em flagrante de Gustavo Henrique Ferreira de Jesus e Paulo Ricardo Souza Siqueira. Ambos têm várias passagens criminais. Também foi apreendido o material explosivo que seria usado, tais como emulsões, cordéis e espoletas.

Durante a investigação, foi constatado que os presos em flagrante agiam sob a coordenação e chefia de um detento do sistema prisional e integravam a mesma facção criminosa, de origem carioca. Os artefatos explosivos seriam empregados, conforme apurou o GAB, em pelo menos quatro ações criminosas de explosões de caixas eletrônicos.

Durante as diligências, ainda foi cumprido o mandado de prisão por latrocínio de Bruno Pereira de Oliveira, foragido da cadeia pública de Rio Verde. Ele foi preso depois de apresentar documento de identidade falso.

Os suspeitos foram detidos em Goiânia, Aparecida e Trindade. Os explosivos foram encontrados escondidos numa residência, em Goiânia. A Justiça converteu o flagrante em prisão preventiva após a audiência de custódia dos presos, ocorrida durante o final de semana.

Com mais essa ação preventiva, a Polícia Civil busca se antecipar às ações de roubo a banco no Estado de Goiás, em especial na modalidade de explosão de caixas eletrônicos.