PCGO conclui 1ª fase da Operação Senectus e prende mais dois envolvidos em golpe cujo prejuízo ultrapassa R$ 130 mil

123

A Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio do Grupo de Repressão a Estelionato e Outras Fraudes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GREF/DEIC), deflagrou operação policial e cumpriu mais dois mandados de prisão temporária em desfavor de dois homens que efetuaram golpe contra idoso de 74 anos de idade, residente em no estado de São Paulo, causando-lhe um prejuízo total de R$144.700,00.

Com as duas prisões ocorridas em 17 de maio, restou concluída a 1ª fase da Operação Senectus, totalizando cinco prisões até o momento. Além disso, o inquérito policial foi finalizado e todos os investigados, indiciados por estelionato majorado. As investigações agora prosseguem para identificar e responsabilizar outras pessoas que tenham participado do crime.

Relembre o caso

O nome da operação pode ser traduzido como velhice em latim e chama a atenção para o fato de que os criminosos miram pessoas com idade igual ou superior a 60 anos de idade, muito dos quais não guardam intimidade com o uso dos meios informáticos, razão pela qual acabam sendo ludibriados por indivíduos inescrupulosos.

Tratam-se de crimes de estelionato e associação criminosa, envolvendo engenharia social conhecida como “golpe do novo número”. No caso citado, no dia 02 de fevereiro deste ano, os criminosos se passaram pela filha da vítima, via Whatsapp, e pediram para que a vítima excluísse o número antigo. Na sequência, solicitaram diversos depósitos, em contas bancárias distintas. A justificativa usada pelo estelionatário era de que o limite do cartão havia excedido naquele dia.

Para dar ares de veracidade ao pedido, os criminosos utilizaram a fotografia da filha da vítima no número de Whatsapp utilizado. A vítima apenas percebeu o engodo em que caíra bem mais tarde, após diversas transferências que totalizaram R$144.700,00.

Após representação da autoridade policial, parecer favorável do Ministério Público e rápida decisão judicial, foram presos, inicialmente, três suspeitos, bem como autorizado o bloqueio de diversas contas bancárias no intuito de ressarcir ou pelo menos diminuir o prejuízo da vítima. As demais prisões (de dois envolvidos) foram cumpridas no dia 17 de maio. Todos os detidos foram recolhidos na Delegacia Estadual de Capturas (Decap).