PCGO prende em flagrante suspeito de praticar golpe do novo número em Rio Verde

266

A Polícia Civil do Estado de Goiás, por intermédio do Grupo de Repressão a Estelionato e outras Fraudes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GREF/DEIC) e do GEPATRI de Rio Verde, prendeu um homem suspeito de integrar um grupo criminoso responsável por aplicar o golpe do novo número, prática de estelionato digital, em desfavor de duas mulheres residentes na cidade de Rio Verde.

Na tarde do dia 28, quinta-feira, policiais civis do GEPATRI de Rio Verde receberam a notícia de que as mulheres foram enganadas e amargaram um prejuízo de quase R$ 4 mil. Segundo relatado por uma das vítimas, uma pessoa enviou-lhe uma mensagem via aplicativo, disse que era sua filha e precisava fazer uma transferência bancária.

A vítima, após visualizar a imagem da filha como foto de perfil, acreditou estar em um diálogo com ela e após uma breve conversa, decidiu ajudar a “filha”. Contudo, como não sabia realizar a transação via aplicativo bancário instalado no celular, pediu para a sua empregada doméstica fazer a operação.

A empregada, no intuito de auxiliar a patroa, realizou uma transferência bancária de quase R$ 4 mil para a conta informada. Instantes depois, ambas constataram terem sido vítimas de golpe.

A empregada noticiou os fatos para os policiais civis de Rio Verde, que imediatamente iniciaram as diligências investigativas e apuraram que o beneficiário da transação fraudulenta reside na região metropolitana de Goiânia.

Com essa descoberta, os policiais rioverdenses repassaram as informações para os policiais civis do GREF/DEIC e estes, após inúmeras diligências, lograram êxito em efetuar a prisão do suspeito na cidade de Aparecida de Goiânia.

O suspeito foi autuado em flagrante pela prática do crime de estelionato na modalidade eletrônica, infração penal que possui pena de até 8 anos de reclusão. Os Policiais Civis do GREF/DEIC reforçam a importância da integração entre todas as unidades da Polícia Civil, bem como com outras forças integrantes da Segurança Pública do Estado e de outras Unidades da Federação, fator imprescindível para o êxito no combate às fraudes, principalmente às eletrônicas.