Polícia Civil prende envolvido em golpe contra idosa do Rio de Janeiro 

124

A Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio do Grupo de Repressão a Estelionato e Outras Fraudes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GREF/DEIC) prendeu em flagrante, na tarde de 24/11/2021, um homem que se passou pelo filho de uma mulher de 79 anos, residente em Parati/RJ e, juntamente como seus comparsas, deram um prejuízo de aproximadamente R$ 7.000,00 (sete mil reais) à idosa. Graças à rápida intervenção policial, cerca de R$ 2.000,00 (dois mil reais) foram bloqueados.

No caso em tela, a vítima foi ludibriada durante os dias 21, 22 e 23 de novembro. Ela recebeu mensagens pelo aplicativo WhatsApp de alguém se passando por sua filha, oportunidade em que o interlocutor solicitou da vítima transferências de quantia em dinheiro e pagamento de um boleto.

A cronologia dos pagamento ocorreu da seguinte forma: na data de 19/11/2021, foi realizada uma transferência, via PIX, no valor de R$ 990,00 (novecentos e noventa reais); no dia 20/11/2021 realizou a transferência de R$ 3.700,00 (três mil e setecentos reais), e por último, no dia, 23/11/2021, a vítima pagou um boleto de R$ 1.900,00 (um mil e novecentos reais). Somente após realizar todas as transações, foi que a vítima percebeu que se tratava de um golpe.

Tão logo chegou ao conhecimento do GREF/DEIC, iniciaram-se diligências e investigações visando a localização dos autores. Após ágil levantamento, os investigadores prenderam um dos autores no Residencial Ana Moraes, Goiânia, o qual confessou ser o beneficiário do pagamento do boleto no valor de R$ 1.900,00 (um mil e novecentos reais). Ele também afirmou saber que sua conta seria usada para recebimento de dinheiro ilícito, mas que não chegou a ficar com nenhum valor, pois o dinheiro recebido via boleto bancário logo foi bloqueado pelo banco.

O suspeito preso, de 22 anos, acabou confessando, assim, a participação no crime. O autuado foi recolhido no Presídio e, após a comunicação de sua prisão, passará à disposição da Justiça. Já o inquérito policial deve ser concluído em dez dias.