Deam de Catalão indicia casal que abusava sexualmente das próprias filhas

514

A Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Catalão prendeu em flagrante o casal E.S.S., 37 anos, e L.J.S., 31 anos, pelos crimes de estupro de vulnerável e transmissão, prática de ato sexual na presença de criança, troca e divulgação de cena de nudez de criança. A captura se deu na quarta-feira (19).

Segundo a investigação, os indiciados namoravam há cerca de cinco meses e moravam em casas separadas. L.J.S. é mãe de seis filhos, sendo dois maiores, e os demais com 17, 15, 13 e seis anos de idade.

Apurou-se que, entre a terça (18) e quarta-feira (19), a indiciada foi a um apartamento do indicado no Residencial Maria Amélia acompanhada de sua filha mais nova. Nesse local, o casal praticou sexo na presença da criança. Ainda segundo as investigações, o indiciado abusou sexualmente da criança.

Em seguida, o casal teria tomado banho com a criança. L.J.S. teria saído do banheiro e deixado o namorado com sua filha, momento que este a teria obrigado a praticar sexo oral. Face ao ocorrido, a própria vítima procurou ajuda junto a terceiros na manhã seguinte aos supostos abusos e foi encaminhada à Polícia Civil.

Iniciadas as investigações com as cautelas legais, foi constatado o abuso sexual (lesão recente nas partes íntimas) na vítima mediante exame de corpo de delito na unidade do Instituto Médico Legal (IML) local.

De imediato, equipe da Polícia Civil localizou os suspeitos, os quais receberam voz de prisão, foram encaminhados à Deam de Catalão e autuados em flagrante delito pelos crimes acima citados. Durante as oitivas, ficou apurado ainda que os abusos sexuais na criança ocorriam há alguns meses, com relatos de que seriam frequentes e praticados com a ajuda reiterada da indiciada.

Foram ainda encontradas, no celular da indiciada L.J.S., fotografias das partes íntimas da filha de seis anos e de outra filha adolescente, tiradas em um aplicativo de rede social. Tais imagens teriam sido enviadas para o indiciado E.S.S..

As penas previstas para os crimes nos quais os investigados foram indiciados variam de oito a 20 anos de prisão em regime fechado. Os investigados estão presos, à disposição do Poder Judiciário.