Membros de empresa de armazenamento de grãos são presos por crimes que causaram prejuízo de R$ 20 milhões a produtores da região de Goiatuba

1184

Uma organização criminosa composta por proprietários e gerentes do Grupo JR, que atua no ramo de armazenagem e comércio de grãos, suspeita de ter causado um prejuízo calculado em R$ 20 milhões a produtores rurais da região polarizada por Goiatuba, foi desbaratada pela Polícia Civil desse município na quinta-feira (28). Ao todo, cinco pessoas foram presas no âmbito da Operação Ouro Verde. O grupo teria atuaria por meio de desvio de soja dos produtores.

O desvio da soja aconteceu em 2016. Desde então, a Polícia Civil realiza investigações sobre o crime. Participaram da Operação Ouro Verde as delegacias de Vicentinópolis, Pontalina, Piracanjuba e a 8ª Delegacia Distrital de Polícia (DDP) de Goiânia, por meio de informações colhidas pela Gerência de Operações de Inteligência (GOI) da PCGO.

Foram cumpridos mandados de prisão preventiva em desfavor de Sebastião Luiz Oliveira Júnior, 45 anos; Vera Lúcia Vieira Silva Oliveira, 44 anos; Ueslei dos Santos 36 anos; Hugo César Camilo de Sousa, 34 anos, e Dalario Alves Silva, 37 anos. Os dois primeiros eram sócios proprietários do Grupo JR. Os demais eram funcionários e ex-funcionários da empresa.

Os mandados foram cumpridos em Joviânia, Vicentinópolis e Goiânia, onde residiam os proprietários da empresa. Foram confeccionados dois Inquérito Policiais. O primeiro apurou o crime de apropriação indébita qualificada e falsidade de documentos. O Grupo JR era responsável por transportar a soja de determinado produtor rural até a sede de uma empresa multinacional. Entretanto, a empresa desviaria a soja por meio da venda dos grãos desviados para empresa diversa.
Para realizarem o crime, os responsáveis pela empresa falsificaram as notas ficais, alterando o destino final da soja e o nome de seu proprietário, emitindo nota em nome da empresa JR. Ao total foram desviados 1.259.541 quilos da commodity (cerca de 26 caminhões carregados). O prejuízo indicado pelas vítimas é estimado em R$ 1.679.388,00.

No segundo inquérito, também foi apurado o crime de apropriação indébita, estelionato e associação criminosa. Neste, o Grupo JR era responsável por armazenar a soja de produtores rurais, além de terem adquirido soja por meio de contratos de compra e venda. Ocorre que os responsáveis pela empresa comercializaram as sacas de soja sem autorização dos produtores com os quais ela possuía somente o contrato de armazenamento, o que configura apropriação indevida do valor.

Já em relação ao contrato de compra e venda, a empresa realizava o comércio dos grãos e não repassava o valor para os produtores. Essa conduta configura crime de estelionato.

Quando os produtores perceberam que não havia mais soja armazenada nos armazéns do Grupo JR e buscaram explicações desse fato, foram informados pelos representantes deste que a empresa estaria em fase de preparação para realizar recuperação judicial e que, por conta disso, não haveria dinheiro para pagar os contratos de compra e venda e que não havia mais soja nos armazéns para que aqueles que haviam apenas depositado os grãos pudessem retirá-los.

O prejuízo total causado aos produtores rurais de Vicentinópolis-GO e região, está próximo dos 20 milhões de reais. Os presos foram recolhidos à Unidade Prisional de Pontalina, onde se encontram à disposição da Justiça.