Operação 5º Mandamento: PC e GCM de Cristalina prendem associação criminosa por homicídio, venda ilegal de combustível e contrabando

945

A Polícia Civil de Cristalina realizou, na sexta-feira (31), a prisão de investigados por homicídio, fraude processual, venda ilegal de combustível e contrabando. O que homicídio que ensejou a operação ocorreu no dia 05 de agosto, no assentamento Vista Alegre, e vitimou Jovenil de Souza.

O inquérito que apura o caso tem como investigados Reimar Oliveira Martins, Diogo Wolshick Douglas Gerhard Wolshick. Na data do delito, a Polícia Civil empreendeu diligências em conjunto com a Guarda Civil Municipal (GCM) e prendeu em flagrante Reimar de Oliveira Martins, um dos três supostos autores do homicídio perpetrado contra Jovenil. De acordo com o que foi apurado, o crime teria sido motivado por uma briga de bar.

Durante as investigações, constatou-se que a prisão temporária dos investigados era imprescindível, motivo pelo qual a autoridade policial representou por sua prisão temporária, medida cautelar deferida com relação aos investigados Douglas e Diogo. Reimar já se encontrava preso preventivamente. Douglas também havia sido preso pelos policiais civis.

A autoridade judiciária também deferiu a representação pela busca e apreensão domiciliar na casa dos investigados, além da quebra de sigilo de dados de aparelhos de telefone celular e demais dispositivos eletrônicos apreendidos no cumprimento do mandado.

No que se refere ao último suspeito do homicídio, Diogo, os investigadores receberam informação de que ele estaria ciente do mandado de prisão contra si, razão pela qual fugiria de Goiás em uma saveiro de cor branca. Diante dessas informações e após diligências, os policiais se deslocaram até o assentamento Vista Alegre, onde, com o apoio da GCM, prenderam o investigado.

Após a prisão de Diogo, os policiais civis descobriram que sua esposa, Ana Karolina Santos Marques, tentaria eliminar provas relevantes para as investigações.

Uma dessas provas seria um telefone celular do marido, que, supostamente, continha informações relacionadas aos crimes cometidos por eles. Diante dessa possibilidade, os policiais e guardas civis foram até a residência de Diogo e, de posse do mandado de busca e apreensão, encontraram vários galões de gasolina expostos para venda assim como cigarros contrabandeados na residência do casal.

O aparelho celular de Diogo foi encontrado na casa de seu sogro. Gerahd e Denis Wolschick também foram presos. Eles foram autuados em flagrante por tentar ocultar provas relevantes para as investigações, bem como por contrabando e por estocar gasolina para venda.