Operação Antracnose desarticula organização criminosa no sul do estado

309

Policiais civis das delegacias distritais de Itumbiara e de Buriti Alegre deflagraram nesta segunda-feira (11) a Operação Antracnose para cumprimento de 48 ordens judiciais, entre mandados de prisão preventiva e busca e apreensão domiciliar.

A operação foi desencadeada em Buriti Alegre, no sul do estado, e finaliza investigação que começou no ano passado para desarticular a principal e mais perigosa organização criminosa em atuação na região e que vinha travando uma sanguinária disputa com outros criminosos pelo controle do crime. O nome da operação, Antracnose, faz alusão a doença que ataca as palmeiras de buriti, levando à morte da planta.

Trabalharam na operação mais de 50 policiais civis. Foram presos os investigados Rael Luca Honorato Alves, Paulo Augusto Telles Gomes, Thales, Telles Gomes, Paulo Henrique Custódio, Marcos Antônio Ribeiro, Maria Beatriz Ribeiro, Bianca Aparecida Ribeiro, Raquel Maria Martins, Ana Paula Vieira do Nascimento, José Aparecido Mendes e Geovana Carolina Silva, esta localizada em Goiatuba. Há outros envolvidos que ainda serão presos.

De acordo com as investigações, os chefes da organização Robert Alves dos Santos e Divino Eterno Venâncio Alves, mesmo presos, conseguiam, de dentro do sistema prisional, orquestrar ordens e determinações que eram cumpridas pelos demais membros. Foram identificados pelo menos dez pontos de comércio ilícito de drogas que eram patrocinados pelo grupo criminoso, sendo alguns deles já alvo de ações policiais anteriores.

A organização criminosa também é responsável pela prática de homicídios, todos ocorridos no segundo semestre do ano passado, por conta da disputa com facções rivais.
A investigação teve o apoio do Ministério Público e Poder Judiciário de Buriti Alegre bem como da Polícia Militar local.

Os Investigados capturados nesta manhã foram apresentados na sede da 6ª Delegacia Regional de Polícia e deverão ser encaminhados à unidade prisional de Buriti Alegre, onde ficarão à disposição da Justiça.

Os investigados Fagner Garcia da Silva, Carlos Fernandes, Alef Domingos da Costa e Maike Rodrigues da Silva não foram encontrados durante as buscas e já são considerados foragidos. A investigação deve ser concluída nos próximos dias.