Polícia Civil indicia ex-vereador e enfermeira de Piranhas por estupro de vulnerável

343

A Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio da Delegacia de Polícia de Piranhas, indiciou um ex-vereador e uma enfermeira do Hospital Municipal pela prática do crime de estupro de vulnerável de uma menina de 13 anos de idade.

Segundo as provas coletadas, a vítima era amiga pessoal e trabalhava como faxineira na residência da enfermeira. A adolescente já possuía um histórico de abusos sexuais, inclusive intra-familiares, o que contribuiu para sua revitimização.

Em dezembro de 2020, a indiciada marcou o encontro da vítima com o ex-vereador, com finalidade explicitamente sexual, bem como emprestou roupas íntimas e maquiou a adolescente para o ato. Em conversas posteriores, a enfermeira disse que a vítima precisava explorar financeiramente o ex-vereador e ficar mais bonita para não se parecer com uma prostituta.

Segundo o delegado Igor Dalmy, no dia e horário marcados, o indiciado compareceu à residência da enfermeira e levou a vítima para sua casa, onde praticou com a menina atos libidinosos e de conjunção carnal por mais de uma vez.  “A enfermeira e o político são amigos próximos. Ela agenciou o encontro”, comenta Dalmy.

No dia seguinte, o ex-vereador e a enfermeira chamaram a vítima para um local específico e lhe entregaram um comprimido de contraceptivo de emergência (“pílula do dia seguinte”). O crime foi descoberto quando a irmã da vítima encontrou a cartela do medicamento usado. Quando questionada, a adolescente relatou com detalhes o que havia ocorrido.

Ao fim da investigação, os indiciados manifestaram o interesse de não serem interrogados. Se condenados, podem receber pena de até 15 anos de reclusão.