Polícia Civil prende dois suspeitos de participação em latrocínio que matou policial militar do DF

708

A Polícia Civil, por meio dos grupos de Repressão ao Patrimônio (Gepatri) e de Repressão a Narcóticos (Genarc) de Luziânia, deu cumprimento a dois mandados de prisão preventiva expedidos contra Carlos Henrique Gonçalves Medeiros, de 37 anos, e Robson Ribeiro da Costa, de 24, suspeitos de envolvimento em um latrocínio. A prisão foi na última quarta-feira (8). Robson Ribeiro foi preso em Luziânia e Carlos Henrique, em Unaí (MG).

O crime aconteceu no dia 15 de maio do ano passado, quando indivíduos armados com uma pistola calibre .40 e uma espingarda calibre 12, a bordo de uma VW/Parati, abordaram dois ônibus interestaduais que passavam pela BR-040, na altura do município de Luziânia, na intenção de roubar os passageiros.

Quando os assaltantes entraram no segundo ônibus, depararam-se com um policial militar do Distrito Federal devidamente fardado. De imediato, os bandidos dispararam diversas vezes contra o policial, iniciando um “tiroteio” dentro do veículo.

Dentro do ônibus, também estava um agente prisional de Minas Gerais que sacou sua arma e efetuou disparos contra os bandidos, na tentativa de impedir a injusta agressão contra o PM.

Após a intensa troca de tiros, dois assaltantes faleceram no local. São eles Aguinaldo Pereira da Rocha, vulgo “Guina”, considerado chefe da quadrilha que praticava os roubos a ônibus na região, e seu irmão Ronaldo Pereira da Rocha. O policial militar ficou ferido, recebeu atendimento médico, mas acabou falecendo. Também foram feridos outros dois passageiros, sendo que uma jovem ficou com graves sequelas.

Durante as diligências investigativas, a Polícia Civil constatou que, além dos dois autores mortos, o crime teve a participação de Carlos Henrique e Robson.

Segundo apurado, Robson forneceu aos assaltantes equipamentos necessários para a execução do delito, como luvas e balaclavas. Já Carlos Henrique participou ativamente da ação, estando na companhia dos assaltantes mortos, embora não tenha entrado no segundo ônibus. Carlos também era foragido do presídio de Cristalina e atualmente está preso em Minas Gerais por porte de arma de fogo.

Delegado responsável: Danillo Martins