Papiloscopistas constatam mais de 400 nomes falsos em atendimentos na Central de Flagrantes em 2018

563

Papiloscopistas lotados na Central de Flagrantes realizaram mais de 6 mil atendimentos, entre presos em flagrante e operações, não contabilizando as abordagens, durante o ano de 2018.

Ao todo, foram identificados 982 (16%) pessoas com mandados de prisão em aberto ou em situação de abandono/foragido do sistema prisional. De todos os identificados, foram constatados 475 nomes falsos. Mais de 5 mil dos identificados possuíam registro civil em Goiás, o que foi possível constatar através do sistema Goiás Biométrico. Os demais, que possuíam registro em outro estado, foram identificados por meio de parcerias da seção com os diversos Institutos de Identificação do Brasil.

A nova Central de Flagrantes foi inaugurada no início de 2016, visando uma centralização e maior agilidade na resolução de procedimentos e funciona 24 horas, todos os dias. Os altos números representam a grande importância que a seção de papiloscopia possui na contribuição para o bom funcionamento da Central de Flagrantes, colaborando com a identificação das pessoas, evitando que prisões equivocadas aconteçam e dando respaldo para o correto cumprimento dos mandados de prisões.