Abuso sexual: Avô suspeito de abusar dos netos durante sete anos é preso pela Polícia Civil

620

Avô suspeito de abusar dos netos por 7 anos é preso pela Polícia Civil

A Polícia Civil de Aruanã, a 315 quilômetros de Goiânia, prendeu na tarde de segunda-feira (30/1) Olivar de Freitas Lopes, de 68 anos, suspeito de abusar sexualmente dos netos. O crime teria acontecido por sete anos, entre 2003 e 2010, tempo em que as crianças viveram na casa do homem.

O crime foi descoberto depois que os professores da escola em que as crianças estudavam, em Goiânia, suspeitaram do comportamento do neto. Ao ser entrevistado por um psicólogo, o menino confirmou o abuso. As investigações apontam que o homem, que é caseiro, costumava levar os netos para ajudar a limpar residências. Depois que a casa era limpa, o homem levava as crianças para um quarto para abusá-las.

Segundo o delegado Marcos Vinícius da Costa, Olivar de Freitas também aproveitava as viagens da esposa para tratamentos de saúde para dormir na mesma cama com os netos. O menino, que tinha 5 anos na época, afirmou que era obrigado pelo avô a manter relações com a irmã. Quando completaram 11 e 13 anos, as crianças se negaram a  se submeter aos abusos do avô. O delegado conta que o homem decidiu, então, devolver os netos para a mãe, porque eles “não mais o obedeciam”. As crianças passaram a morar com a mãe, em Goiânia.

Outros casos

O delegado conta que tanto a mãe das crianças quanto a avó afirmaram desconhecer o abuso. Depois que o caso foi descoberto pela polícia, outra filha do homem se apresentou e afirmou que também era abusada sexualmente. Interrogado pelos policiais, o homem confessou os crimes.

Como o homem vendia doces na porta de uma escola estadual de Aruanã, o delegado não descarta a possibilidade de que haja mais vítimas.  Atualmente, outro neto vivia na casa do homem, que foi preso e encaminhado para a Cadeia Pública de Aruanã. Ele responderá pelos crimes de estupro de vulnerável e corrupção de menores, e pode ficar preso de oito a 15 anos.

Texto: Larissa Lessa
Fonte: Site A Redação
Foto: Google (Ilustração)