Após suposta extorsão, políticos são presos pela Polícia Civil ao receber mala com dinheiro

332

Filho do Prefeito de Cavalcante conversa com os vereadores no estacionamento de um shopping de Goiânia

Três vereadores de Cavalcante, no nordeste goiano, foram presos, no final da tarde de quarta-feira (25), após serem flagrados recebendo uma maleta com R$ 20 mil, em Goiânia (veja vídeo ao lado). Segundo a Polícia Civil, o dinheiro seria parte dos R$ 250 mil que os parlamentares pediram ao prefeito da cidade, João Pereira da Silva Neto (PTC), para que projetos fossem aprovados na Câmara de Vereadores. À polícia, os políticos negam a extorsão e afirmam que desconheciam o conteúdo da mala.

A denúncia partiu do próprio prefeito, e de seu filho, Wolney Neves, que é secretário de Turismo de Cavaldante. Eles alegam que as tentativas de extorsão eram recorrentes e que por isso decidiram denunciar e gravar as imagens.

No mesmo dia, antes de entregar o dinheiro, o filho do prefeito se encontrou com os vereadores Sival Alves Borges (PTB) e com o presidente da Câmara, Augusto dos Santos Sousa (PR). O encontro aconteceu no estacionamento de um shopping de Goiânia.

A conversa foi registrada por Neves, que finge tentar negociar a data da entrega do dinheiro: “Não dou conta de levantar esse dinheiro e entregar hoje para vocês. Vou ser sincero para vocês. Só para mostrar um sinal de fé, eu tento arrumar R$ 20 mil e entrego hoje no final do dia para vocês”.

O filho do prefeito contou ao G1 que os vereadores pediram R$ 300 mil. “Pedi que eles diminuíssem o valor para R$ 250 mil. Então combinamos de repassar a primeira parcela quando o evento na OVG acabasse”, conta Neves.

Como combinado, o secretário e os dois vereadores se encontram no final da tarde em frente à sede da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG), na capital, onde autoridades estavam reunidas para um evento de doação de ambulâncias aos municípios. Os parlamentares foram acompanhados por outro vereador: Geraldo Pereira dos Santos Júnior (PV). A situação também foi gravada em uma câmera escondida. No vídeo, Neves diz : “Arrumei os R$ 20 mil e deixei aí. Está tudo separadinho aí”.

O G1 tenta contato com o advogado dos vereadores, mas ele não atendeu às ligações até a publicação da reportagem.

                                                         Extorsão

O secretário de Turismo conta que desde o começo do ano o pai enfrentava dificuldade na aprovação de projetos na Câmara de Vereadores. “Em agosto a situação ficou pior. Foi quando cinco vereadores fizeram a proposta. Começamos a ficar com medo”, afirma.

Neves explica que o prefeito havia proposto projeto de 30% de suplementação, que consiste em transferir dinheiro de uma secretaria para outra. “Eles disseram que, se pagássemos o que eles queriam, aprovavam 15%. Como não cedemos, eles aprovaram 4%, o que só foi suficiente para o pagamento da folha dos funcionários no mês de agosto”, afirmou.

O secretário de turismo ressalta que a situação estava insustentável, por isso, eles “tomaram coragem e procuraram a delegacia”.  No flagrante, segundo Neves, estavam apenas três dos cinco vereadores acusados de extorquir o prefeito. Com medo de retaliação, o prefeito e o filho vão ser acompanhados por escolta na viagem de volta a Cavalcante.

                                                                        Investigação

Indignado com a extorsão, o prefeito já havia procurado a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (Derccap), em agosto. “Há cerca de três semanas ele nos procurou, mas não deu continuidade à denúncia”, informou o delegado responsável pelo caso, Marco Antônio Morbeck.

Delegado Marco Antônio Morbeck investiga a participação de outros dois vereadores na extorsão

Com as imagens do encontro no shopping, José Neto e o filho foram à delegacia  na quarta-feira e contaram do encontro para o pagamento da primeira parcela. Policiais acompanharam a entrega do dinheiro e prenderam os vereadores.

O delegado afirmou que os três parlamentares já prestaram depoimento, acompanhados do advogado. “Eles negam a extorsão. Dizem que não sabiam nem o que tinha na maleta. Eles contaram que o secretário disse para eles segurarem a maleta e eles seguraram”, afirma o delegado.

De acordo com o delegado, os vereadores afirmaram que a extorsão, na verdade, se trata de uma “armação do prefeito”. “Eles disseram que o prefeito fez tudo isso porque eles são da oposição”, ressalta Marco Antônio Morbeck .

O secretário de turismo negou a acusação de que eles teriam armado qualquer coisa. “A gente tem a gravação de tudo. Inclusive, de encontros anteriores em uma pista de aeroporto e na própria Câmara”, ressalta Neves.

“Se os vereadores aprovaram o projeto com entendimento político ou com entendimento para beneficiar a população, eu não sei. No entanto, a situação aconteceu. Eles pegaram o dinheiro e flagramos isso”, afirma o delegado. Os vereadores foram encaminhados para a Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios, pois na Derccap não há cela. Até o início da tarde, eles ainda estavam detidos.

O delegado afirma que vai enviar as imagens e gravações para a análise pericial. “A investigação continua, pois vamos averiguar a participação dos outros dois vereadores que também fariam parte do grupo, mas que não estavam no momento do flagrante”, esclareceu.

Fonte: G1/GO