Carretas com cargas roubadas no valor de R$ 1 milhão são apreendidas pela Polícia Civil

396
Delegado Itamar Lourenço

Mais de R$ 1 milhão em cargas são apreendidas

Policiais Civis da Delegacia Especializada em Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA) apreenderam, na manhã de ontem, quatro carretas com materiais roubados encontradas em um galpão no Setor Parque Oeste Industrial. No local foram encontrados alimentos, eletroeletrônicos, brinquedos, secos e molhados, eletrodomésticos, pneus e até uma carga considerada tóxica. Juntos, todos os produtos roubados somam mais que R$ 1 milhão, fora o preço das carretas, avaliadas em R$ 150 mil, cada.

Segundo o delegado Itamar Lourenço de Lima, adjunto da DERFRVA, a polícia chegou ao local durante as apurações do roubo de uma carga de pneus em Itumbiara, a 211 quilômetros de Goiânia, na manhã de segunda-feira. Ao encontrar o galpão, este estava trancado e foi necessário arrombá-lo. Itamar ressalta que a diversidade de produtos encontrados não surpreende. “É comum que esses bandidos abordem os caminhões sem saberem o que carregam.”

Carretas e carga roubadas

Prova disso é que, entre as outras mercadorias, estava um caminhão tubo, contendo produto tóxico utilizado na fabricação de colchões. O delegado explica que, se tal substância é inalada, pode levar à morte em poucos minutos. Para Itamar, o fato de a polícia ter encontrado essa carga vai evitar um grande desastre ecológico. “Dificilmente eles encontrariam comprador para esse tipo de mercadoria e iam acabar depositando a carga em local impróprio.”

Itamar ressalta que a suspeita é de que a quadrilha que utilizava o galpão atua em Goiás há mais de dez anos. De acordo com ele, os membros do grupo especializado em roubo e distribuição de cargas roubadas são “velhos conhecidos” da polícia, com diversas passagens. O fechamento do galpão e a apreensão das cargas podem ser o primeiro passo para que a polícia consiga desmontar a quadrilha. As carretas e os produtos encontrados serão devolvidos às vítimas, assim que elas forem identificadas.

Texto: Angélica Queiroz
Fonte: O Hoje
Foto: Polícia Civil e Demian Duarte