Conheça a história da Delegada de Polícia Azuen Albarello no Livro Mulheres de Delegacia

878

Ser mulher para mim é ter persistência e coragem para continuar a caminhar, mesmo quando tudo e todos lhe mandam fugir

Delegada Azuen Albarello

Fui aprovada no concurso da Policia Civil no ano de 2003, ingressando nos quadros da instituição no ano de 2004. As coisas nunca foram fáceis, mas sempre fui muito guerreira e persistente em meus objetivos. É curioso perceber que na escola da vida não somos concorrentes ou adversários, cada um tem o seu espaço e o seu dia de brilhar.  Lembro-me do dia em que repassei um conteúdo ministrado no cursinho para minha amiga SILVANA, também delegada de polícia. Praticamente tudo que estudamos foi cobrado na prova.

Posteriormente Silvana me ajudou no teste de aptidão física, pois me encontrava lesionada e foi graças à força dela que consegui concluir o percurso e ser aprovada. Sinto que nessa vida não estamos sozinhos e sempre recebemos em dobro, aquilo que fazemos de bom para os outros.  Sempre trabalhei na Delegacia de Policia de Aragarças e aqui passei momentos felizes e conturbados.

Quase tive meu filho seqüestrado e para me intimidar, deram três tiros em minha residência. O motivo de tais ações era a investigação que culminou na prisão de policiais militares, que foram  julgados por prática de grupo de extermínio. Apesar de tudo continuei o meu oficio,  ainda encontro tempo para trabalhar nas faculdades Cathedral, situada na cidade de Barra do Garças, onde ministro aulas de Direito Processual Penal e Direito Penal.

Nasci no ano de 1976, na cidade de Realeza – PR. Sou filha de Nadir Roque Albarello e Neuza Maria Berti Albarello. Formada em Direito sou especialista em Ciências Criminais.

Ser mulher para mim é ter persistência e coragem para continuar a caminhar, mesmo quando tudo e todos lhe mandam fugir. Ser mulher é não desistir e lutar pelos seus ideais, ter a consciência de justiça, e dever cumprido.