Deic apresenta suspeito de latrocínio ocorrido em meados de 2016

387

pedro henrique_deicA Delegacia de Investigações Criminais (Deic) apresentou, nesta terça-feira (4), o vidraceiro Pedro Henrique Rodrigues da Silva, de 19 anos, suspeito de matar o borracheiro Vitor do Prado Batista, de 38 anos, após um encontro em um motel de Goiânia, em junho do ano passado. Investigações apontaram que Pedro Henrique matou e roubou pertences da vítima, o que configura crime de latrocínio.

Preso na semana passada, o suspeito acompanhou o delegado Valdemir Pereira, titular da especializada, ao local onde teria deixado o corpo do borracheiro, numa estrada vicinal de Senador Canedo, na Região Metropolitana da capital. O corpo, porém, não foi encontrado. Em parceria com a Polícia Técnico-Científica, a Polícia Civil descobriu que um corpo achado anteriormente na região (em julho de 2016) pertencia ao borracheiro desaparecido.

Vitor foi visto por familiares pela última vez no dia 20 de junho de 2016. Ele saiu de casa em Uruana, a 155km de Goiânia, em seu VW Gol, dizendo que ia fazer exames na capital, mas não deu mais notícias. Segundo o delegado,  ele seguiu até a capital, onde se encontrou com Pedro Henrique. Após jantarem em um restaurante, eles seguiram até o motel, onde discutiram.

Para Valdemir, o crime foi premeditado. “Ele confessou o crime e até nos levou ao local. Não há dúvidas de que foi planejado, porque, pelas conversas que eles tinham no Facebook, o Vitor havia contado que tinha aquele veículo”, explicou. Além disso, o celular da vítima foi vendido por Pedro Henrique, que ainda estava de posse do carro da vítima.

Durante a apresentação, Pedro afirmou que achou que Vitor estava vivo quando foi deixado na mata e que a agressão havia ocorrido porque a vítima havia tentado forçar uma relação sexual, versão que não convence a polícia. “No motel, ele enforcou a vítima, que ficou desacordada. Depois, colocou o Vitor no porta-malas do carro e seguiu para terreno próximo a Senador Canedo. A vítima ainda acordou e Pedro acabou de matá-la”, afirmou Pereira.