Dercap deflagra 2ª fase da operação contra fraudes em concurso

329

dercapA Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra a Administração Pública (Dercap), realizou nesta quinta-feira (4) a segunda fase da Operação Porta Fechada, que investiga fraudes no concurso para delegado em Goiás. Foram cumpridos 26 mandados judiciais, sendo 13 de busca e apreensão e 13 de condução coercitiva.

Os mandados foram cumpridos em Goiânia, cidades do interior e no Distrito Federal. Entre as pessoas investigadas e ouvidas pela polícia estão 11 candidatos, um suposto aliciador e uma mulher, que ainda não teve o envolvimento na quadrilha definido. Segundo o delegado André Augusto Botesini, foram apreendidos diversos aparelhos eletrônicos e anotações relacionados ao certame.

Dentre os conduzidos coercitivamente estão nove candidatos aprovados entre os primeiros lugares. A polícia também conduziu coercitivamente três candidatos reprovados no certame, mas que chegaram a negociar as vagas. Destes, um chegou a pagar R$ 50 mil ao grupo, mas como não pagou o restante, não foi aprovado.

As provas objetivas do concurso foram aplicadas no dia 3 de fevereiro deste ano e o resultado definitivo foi publicado no dia 2 de março, causando estranheza nos candidatos a quantidade de aprovados com nota superior a 90 pontos. Investigação da especializada descobriu que uma quadrilha cobrava entre R$ 120 mil a R$ 365 mil por uma vaga. Quatro aprovados entre os 13 primeiros lugares foram presos na primeira frase da operação, no dia 12 de março.

Com base nas investigações, a polícia suspeita de envolvimento de servidores do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), antigo Cespe, órgão que é responsável pelas provas do concurso e que até ano passado aplicava e corrigia as provas do Enem.