Detento suspeito de aplicar golpes de dentro de presídio em Goiás ém preso pela Polícia Civil

767
Fernandinho
Fernando Ribeiro aplicava golpes de dentro do presídio

Cadernos tinham telefones
de delegacias e vítimas de
roubo de veículos. Polícia
Civil diz que ele ligava para
as vítimas pedindo
recompensa por carros

A Polícia Civil identificou um detento preso na Penitenciária Odenir Guimarães, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, suspeito de aplicar golpes de dentro da cadeia usando celulares. Com Fernando Ribeiro de Souza, os policiais civis encontraram quatro aparelhos telefônicos e dois cadernos contendo telefones de delegacias em todo o país e informações detalhadas sobre carros roubados em vários estados.

Fernando já está preso na Penitenciária Odenir Guimarães há seis anos e tem ficha criminal extensa: ao todo, são 28 crimes, a maioria estelionato e extorsão. Ele foi apresentado pela polícia na última quinta-feira (12), no 2º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia.

Dentre as informações escritas nos cadernos, estão placas, chassis, números de motor e até os telefones dos proprietários dos veículos. Segundo a polícia, ele usava os dados para ligar para as vítimas de roubo e pedir dinheiro pela devolução dos carros.

Um dos veículos descritos é um Chevrolet Chevette roubado em Valparaíso de Goiás. No caderno, a anotação destaca que o carro está bem conservado e que o dono se propõe a dar uma recompensa a quem devolver o Chevette. O número de telefone da vítima também está escrito no caderno.

A equipe de reportagem da TV Anhanguera ligou para o número que consta na anotação e falou com um homem que afirma ter tido o carro roubado no ano passado. Ele conta ainda que dias atrás recebeu uma ligação com DDD 88 de um homem pedido um depósito de R$ 300 em troca devolução do veículo. “Aí nós fomos à delegacia e o delegado mandou botar um envelope em branco”, conta a vítima.

O homem suspeita que o detento obteve as informações sobre o roubo do veículo a partir de um anúncio na internet. “Tem uma página na internet de carros roubados, e essa foto [do Chevette] está lá”, afirma.

Investigações

Fernando só foi descoberto ao tentar aplicar o mesmo golpe em uma vítima de São Paulo, que procurou a Polícia Civil. As investigações apontaram que o detento é o autor das ligações, feitas de dentro do presídio. A mulher dele foi presa, suspeita de envolvimento nos crimes.

O delegado Lúcio Flávio Melo investiga agora como o presidiário teve acesso a tantas informações. “A Polícia vai ter que trabalhar em cima de cada uma dessas anotações dele, para saber a origem. Se foi de site, se foi de anúncios, se foi de alguém oferecendo gratificações ou se foi de pessoas de outros presídios que passaram essas informações para ele”, afirma.

O Chevette roubado ainda não foi localizado pela Polícia Civil. A Superintendência de Executiva de Administração Penitenciária (Saep) afirma que novos bloqueadores de celulares começaram a ser instalados nesta semana no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Além disso, o complexo deve receber quatro scanners humanos, para impedir a entrada de celulares com visitantes das unidades.

A Saep também informou que colaborou com as investigações da Polícia Civil que resultaram na autuação de Fernando Ribeiro de Souza. Ele vai responder criminalmente por estelionato e também na esfera administrativa da penitenciária com sanções disciplinares previstas na lei.

Fonte: G1/GO