DIH apresenta mulher acusada de atear fogo em casal em Goiânia

428

dih apresentaçãoA Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), apresentou nesta sexta-feira (3), Márcia França Borges, 46 anos, indiciada pelo homicídio de Lucas Iury de Oliveira Santos, popularmente conhecido como “Palhaço da rocinha”, de 21 anos, e por tentar matar Emanuelly Lima de Sá, de 16 anos, após atear fogo no corpo do casal enquanto ambos dormiam numa residência situada no Parque Amazônia, em Goiânia, na madrugada de 6 de março de 2016.

De acordo com as investigações, coordenadas pelo delegado Paulo Ludovico Evangelista da Rocha, Lucas era um traficante de drogas que utilizava o próprio quarto da residência onde morava, no Parque Amazônia, numa região popularmente conhecida por “Rocinha”, como local para o comércio ilícito de entorpecentes. Márcia o ajudava, tanto na venda de entorpecentes, quanto nas tarefas domésticas, serviços pelos quais recebia droga como pagamento.

Na tarde anterior ao crime, Lucas teria discutido com Márcia, em decorrência de uma dívida de drogas, chegando a agredi-la fisicamente. A mulher, então, teria o ameaçado, dizendo que se vingaria pela agressão. Na madrugada, enquanto Lucas dormia na companhia de Emanuelly Lima, a investigada jogou óleo diesel no casal e ateou fogo em ambos. Lucas Iury teve 95 % do corpo queimado e Emanuelly, 48 %.

Depois da agressão, Márcia não foi mais encontrada na região. Lucas e Emanuelly foram socorridos e encaminhados ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), mas o rapaz não resistiu aos ferimentos e faleceu dois dias depois. A adolescente, por sua vez, foi submetida a diversas cirurgias, dentre elas uma para amputação de parte da perna, e permanece internada.

No dia 1º de abril, após várias diligências investigativas e com auxílio de um retrato falado, os agentes de polícia localizaram e capturaram Márcia, cumprindo o mandado de prisão temporária expedido em desfavor dela. Posteriormente, a prisão de Márcia foi convertida em prisão preventiva, motivo pelo qual a indiciada encontra-se presa à disposição do Poder Judiciário. Márcia será indiciada por homicídio duplamente qualificado e por tentativa de homicídio qualificado.