DM publica mensagem do Delegado Geral, João Carlos Gorski, aos Policiais Civis

243

João Carlos Gorski – Delegado Geral da Polícia Civil

Família: Polícia Civil

Comemoramos hoje, e durante toda esta semana, o dia do Policial Civil.

Numa mistura de alegria e muita saudade, paramos, por alguns minutos, para refletir sobre nossa profissão e nossa instituição, a Polícia Civil.

Este ano a comemoração sofre com a lembrança de nossos queridos amigos e irmãos em vida, Antônio Gonçalves, Jorge Moreira, Osvalmir Carrasco, Bruno e Vinícius. Há cerca de um ano não contamos mais com suas presenças físicas entre nós, mas a cada instante, em cada olhar que trocamos em nossos postos de trabalho, sentimos, na força de seus exemplos, o legado nos deixado como herança, bradando aos 4 ventos, quão nobre, digno, útil, decente e amigo um ser humano pode ser. A dor se modifica, a vida continua e o exemplo fica.

Entretanto, nada pode nos deter. O olhar generoso para o passado, o profundo estudo do presente e em especial, a visão voltada ao futuro, tem pautado esta administração, que almeja conhecer toda a realidade da Polícia Civil de Goiás, para entender suas potencialidades, corrigir seus rumos, honrar seu passado e fazer cada vez mais a diferença na vida de de 6 milhões de goianos.

Como forma de prestar contas, e agradecer ao senhor secretário Joaquim Mesquita e ao senhor Governador Marconi Perillo, informo o pacote de investimentos a ser feito nos próximos 90 dias na melhoria de nossas condições laborais. Investimento de R$ 2.400.000,00 em móveis para as delegacias em todo o estado, suficientes para mobiliar cerca de 50% de todas as nossas unidades, valor a ser novamente investido no ano que vem, finalizando totalmente esta nossa demanda.

Aquisição de aproximadamente 1.200 computadores de última geração, acompanhados de novo contrato de links de internet com capacidade de transmissão mínima de 1 mega, o que revolucionará nossa capacidade tecnológica de investigação e atendimento ao público.

Aquisição de 1.000 coletes de proteção balística, quantidade suficiente para nossas equipes operacionais, dando mais segurança e qualidade de vida aos servidores, sendo que nova aquisição já está prevista também para o próximo ano.

Reformas autorizadas e com dinheiro em caixa para aproximadamente 50 unidades este ano, no valor de R$ 2.500.000,00, e outras em curso para o ano vindouro. Reforma e construção de prédio de nossa Central de Flagrantes 24 horas, local de referência no Atendimento a população e em especial a nossa irmã Polícia Militar, em padrão consagrado Vapt Vupt.

Aquisição de 5000 kits pessoais para fornecimento aos policiais civis goianos, contendo: uniforme padrão operacional (camisetas e bonés), distintivos e outros instrumentos operacionais identificadores da Polícia Civil.

Estes investimentos somam-se aos novos 750 policiais civis que no início de 2014 também comporão nossos quadros, sendo que já iniciamos tratativas com o governo para abertura de concurso no ano que vem.

Porém nada se compara ao nosso mais valoroso patrimônio, nosso mais importante vetor de mudança e ação, os homens e mulheres que compõem nossos quadros. Toda nossa atenção tem se voltado para este fator, nossa atividade tem por característica principal o contato humano e social, nossa maior arma é a nossa atitude, como nos portamos perante os colegas e nossos clientes, sendo assim nada mais importante do que a valorização dos policiais.

Tal preocupação é completamente compartilhada pelo Secretário Joaquim Mesquita e pelo senhor Governador Marconi Perillo, por isso a determinação de ambos para a construção racional de instrumentos legais que demonstrem tal valorização, como exemplo a urgente extensão de prêmio por produtividade para todos os policiais civis e a elaboração de mudanças em nossa lei orgânica.

Por fim, lembro a todos, que todos estes investimentos e melhorias em nossa instituição são vitais e fortes instrumentos de melhorias, mas, de forma alguma se comparam ao nosso bem mais valioso, qual seja, a consciência de todo policial civil de que nenhuma circunstância negativa pode ser usada como desculpa para a sua omissão.

Ser policial civil é ser gentil e solidário ao lado dos frágeis; forte e incisivo frente os poderosos; limpo e imaculado em meio à imundice e imoralidade que por ventura se apresentem; presente e nunca omisso apesar de toda e qualquer limitação.

A investidura no cargo não nos transforma em policiais civis, só nossas atitudes têm este poder.

Tenhamos em mente que algo maior sempre nos vigia, comum a todos, isso deve nos moldar. A cada dia de trabalho devemos nos portar como se nossos pais, esposas, maridos, filhos estivessem a todo tempo nos observando. Como gostaríamos de ser vistos. Subservientes, truculentos, despreparados, corruptos, ou, retos, dignos, corajosos, dinâmicos e eficientes.

Isso é o que peço a todos, e espero de mim mesmo, que sejamos o máximo do que podemos ser, sem um milímetro a menos e que nos lembremos sempre de que somos milhares, mas, principalmente, podemos minimizar a dor de milhões.

Parabéns.

Muito obrigado a todos.  

(João Carlos Gorski, delegado geral da Polícia Civil de Goiás)

Publicado na edição de hoje, 08.05, do jornal Diário da Manhã