Dupla suspeita de espancar e roubar taxista é presa pela Polícia Civil de Goianésia

427
DSC09839
Joyce e Leonardo: roubo para sustentar vício

Joyce Elaine Marcondes, de 31 anos, e Leonardo Neris da Silva, de 19 anos, foram presos em flagrante por policiais civis de Goianésia no dia 25 de maio. A dupla é suspeita de ter praticado roubo violento a taxista na GO-230, que liga Goianésia a Vila Propício.

A vítima, Geraldo Teodoro de Oliveira, de 87 anos, teve seu veículo roubado após ser agredido por socos e pontapés dos suspeitos, que roubaram ainda mais de R$ 5 mil, relógio e aparelho celular do taxista.

Segundo as investigações, Joyce obteve notícias de que o idoso havia sacado grande quantia em dinheiro. Ela teria então, convidado Leonardo a simular viagem para Vila Propício, a fim de concretizar o roubo.

Como o taxista já conhecia Joyce, aceitou fazer a corrida. Segundo a delegada Poliana Bergamo, responsável pelo caso, no meio do trajeto, Leonardo pediu que o idoso parasse o carro, com a desculpa de que queria urinar. Neste momento, ele anunciou o assalto.

No mesmo instante, Joyce começou a agredir o taxista com pontapés, obtendo ajuda do comparsa para a agressão. Com a vítima desacordada, a dupla conseguiu subtrair os pertences e fugir no taxi.

Após a prisão, Leonardo chegou a dizer que a intenção de Joyce era matar Geraldo que, por conhecê-la, poderia denunciá-la à polícia. Segundo o suspeito, ele mesmo teria convencido a mulher a não matar o idoso.

Ao acordar, o taxista conseguiu caminhar até a rodovia GO-230, onde obteve carona até a delegacia. Em verificação ao banco de dados da Polícia Civil, os suspeitos foram identificados. Logo após, em diligências por locais de convívio dos suspeitos, a polícia localizou o veículo roubado.

Após campana, os policiais civis conseguiram localizar Joyce numa boca de fumo. Com ela, foi encontrada a quantia de R$ 1.780. Minutos depois, o comparsa, Leonardo, foi achado em outro ponto de tráfico, de posse de R$ 1.742 e mais três pedras de crack.

Na delegacia, a dupla confessou que cometeu o crime no intuito de sustentar o vício em crack. A delegada Poliana Bergamo destaca o empenho dos policiais Elton Alexandre Silva, Eurico Moreira, João Mateus Peixoto, Sillas Magalhães e o escrivão Airton Júnior, que conseguiram elucidar o caso apenas seis horas após o crime.

Texto: Flávia Guerra – Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
Fotos: Polícia Civil / Goianésia