GIH de Aparecida de Goiânia prende suspeitos de terem matado um empresário

422
empresario
Mandante do crime é preso em casa

A Polícia Civil apresentou, nesta quinta-feira (21), três suspeitos de matar o empresário Genival Carlos dos Santos, de 42 anos, no próprio comércio, no Setor Cidade Vera Cruz, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Além deles, dois menores, de 17 anos, estão apreendidos. Segundo a investigação, o mentor do crime devia R$ 6,5 mil para a vítima e, devido à cobrança, decidiu matá-la.

O homicídio ocorreu em 2 de abril, no pregão de móveis usados que pertencia ao homem. O local estava em obras quando dois menores chegaram, renderam a vítima e três funcionários, obrigando-os a deitar no chão. Conforme a Polícia Civil, os adolescentes atiraram três vezes na cabeça do empresário. Os demais não tiveram ferimentos.

Responsável pelo caso, o delegado Germano Castro, do Grupo de Investigação de Homicídios de Homicídios (GIH), explicou que o mentor do crime era parceiro comercial da vítima. Ele falou da vontade de matar o empresário com um amigo, que o apresentou ao líder de uma quadrilha, conhecido como “Zoi”.

De acordo com o delegado, “Zoi” se interessou pelo caso para roubar o carro do empresário. “Ele teria feito vários contatos com possíveis compradores do veículo a ser subtraído da vítima, inclusive com detentos do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia”, disse.

No entanto, como não conseguiu dar um destino para o automóvel, “Zói” ordenou aos menores que executassem o comerciante. “Ele possui uma liderança e ascensão muito grande sobre os membros de uma quadrilha que comanda e é tido como uma pessoa de altíssima periculosidade. As informações são de que o mesmo se dedica ao tráfico de drogas e roubo de veículos automotores”, afirma o delegado.

Castro informou que o mandante do homicídio foi preso no último dia 12 e confessou o crime. Depois, os menores foram apreendidos e ouvidos pela polícia. Para o delegado, eles não apontaram a participação de “Zoi” como mandante por “uma questão de temor”. Os outros dois envolvidos no crime foram presos durante uma operação policial deflagrada nesta quinta-feira (21).

Texto: G1
Foto: Polícia Civil