GAS/Deic apresenta preso suspeito de assassinar corretora

316

deicA Polícia Civil, por meio do Grupo Antissequestro (GAS) da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC), apresentou nesta sexta-feira (20), no auditório da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP), o suspeito pela morte da corretora Núbia Francisco de Souza, de 46 anos. Antônio Rodrigues de Brito, de 40 anos, foi preso em flagrante na última quarta-feira (18), em Guapó, onde mora, e confessou o crime. À polícia, ele contou detalhes do latrocínio.

De acordo com o chefe do GAS, delegado Valdemir Pereira,  o homem matou a vítima asfixiada para roubar o carro e R$ 850 que ela utilizaria para comprar mesas oferecidas por ele. “Ele já tinha esse pensamento praticar o crime quando ligou para ela na segunda-feira (16). Tanto é que ele não tinha mais as mesas e cadeiras prometidas para vender a Núbia. Já tinha vendido na semana passada”, explicou.

Depois de preso, ele levou a polícia até um córrego na zona rural de Cezarina, a 64 quilômetros de Goiânia. O Corpo de Bombeiros foi acionado e conseguiu resgatar o corpo da vítima que foi morta por asfixia e encontrada amordaçada e com os pés amarrados. “Peço perdão para família dela e para minhas filhas. Foi um momento de bobeira”, disse o autor do crime durante a apresentação. No local onde o corpo da vítima foi encontrado, também estava um sapato usado por Núbia, além de um pedaço da corda que foi usado para enforcá-la.

O caso
A corretora de imóveis Núbia Francisco, de 46 anos, desapareceu na segunda-feira (16) quando saiu para encontrar com Antônio, em Guapó, onde ele mora. Núbia compraria mesas e cadeiras que seriam revendidas em uma loja de móveis usados. O carro dela foi encontrado no dia seguinte, em um posto desativado na GO-060, saída pra Trindade, depois que a família procurou a polícia para registrar o desaparecimento.

“Ele só não roubou o carro porque, no retorno à cidade de Guapó, depois de jogar o corpo no córrego, o veículo deu um problema técnico, talvez por falta de combustível, e ele teve que abandonar o mesmo em um posto de combustível desativado. Diante da ficha criminal dele, a gente tem praticamente certeza de que ele levaria o carro também”, afirmou o delegado.

O músico deve ser indiciado por latrocínio, que consiste em roubo seguido de morte, e ocultação de cadáver.