GENARC de Goianésia prende, na rodovia BR-153, dupla suspeita de tráfico de drogas

697
traficantes 153
Wanderson Honorato e Wésley Lacerda Macedo

Duas equipes de policiais civis lotados no Grupo Especial de Repressão a Narcóticos (GENARC) de Goianésia, prenderam, no dia 29 de outubro, Wanderson Honorato da Silva, o Nenê, de 20 anos, e Wésley Lacerda Macedo, o Rato, de 23 anos. A prisão teve o apoio de policiais rodoviários federais, e ocorreu no Posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), situado na BR-153, em Jaraguá.

No veículo em que a dupla estava, foram encontrados e apreendidos quase quatro quilos de drogas, entre crack e maconha, além de uma pistola calibre 380 municiada com dois carregadores e várias munições de calibre 380 e 38. Na ocasião, a polícia achou ainda carteira de habilitação falsificada, no nome de Wanderson Araújo Silva, nome que Nenê apresentou ter.

Dois quilos de maconha, foram encontrados logo no momento da abordagem, feita em conjunto pelos policiais rodoviários e civis. O veículo VW Gol foi, então, encaminhado para a delegacia de Jaraguá, onde foi realizada busca minuciosa, que localizou o restante da droga, arma e munições, escondidos nos forros e bancos do carro.

De acordo com a Polícia civil, Nenê é alvo de investigações do GENARC há quatro meses, após ser apontado como um dos maiores fornecedores de entorpecentes para traficantes de Goianésia, local onde já foi preso e condenado pelo crime de tráfico de drogas. Durante este período, os policiais civis constataram que, na verdade, Nenê era um grande fornecedor de drogas e armas não só para Goianésia e região, mas para outros municípios do norte e médio norte goiano, como Uruaçu, Campinorte, Campinaçu, Porangatu, São Miguel do Araguaia, Colinas do Sul e Minaçu, sua cidade natal.

As investigações apontaram que Nenê, para desviar de barreiras policiais, utilizava rotas diversas para transportar a droga de Goiânia até estes municípios. Quando o carregamento era grande, o trabalho era auxiliado por veículos batedores e ocorria em dias e horários alternados, para não despertar a atenção da polícia.

Nos últimos dias, o GENARC fechou o cerco ao tráfico de drogas em Goianésia e passou a monitorar Nenê. Descobriu-se que o traficante tentava levar drogas para Goianésia, mas não chegava até a cidade, distribuindo a droga num auto posto situado na BR-153, perímetro urbano de Jaraguá. De posse das informações, duas equipes de policiais civis montaram campanas móveis e fixas na rodovia, entre Goiânia e Jaraguá.

O trabalho da Polícia Civil apurou que os investigados semanalmente transportavam drogas nesses municípios e identificou comparsas, veículos, residências e modus operandis (ações, horários e artimanhas) da quadrilha. No dia da abordagem, uma das equipes de policiais civis avistou o veículo conduzido por Nenê e informou aos policiais rodoviários. O carro foi seguido à distância pelas equipes de policiais civis, até ser abordados no posto policial de Jaraguá.

Após apreensão do restante da droga e da arma e munições encontradas no interior do veículo por eles ocupado, Wanderson e Wesley foram autuados em flagrante delito pelos crimes de tráfico e associação para o tráfico de drogas, porte legal de arma de fogo e munições de uso permitido. Wanderson responderá ainda pelo crime de uso de documento falso.

Antes da prisão dos acusados os policiais civis do GENARC trocaram informações com policiais civis de Minaçu e estes informaram que Nenê e seus comparsas, além de envolvimento com o tráfico de drogas, são suspeitos de estarem envolvidos em alguns crimes de homicídios ocorridos naquela região, motivados por uma “guerra” entre facções criminosas.

Consta em desfavor de Wanderson Honorato da Silva, o Nenê, dois mandados de prisões, sendo um pelo crime de tráfico de drogas e outro pelo crime de roubo, expedidos, respectivamente, pelas comarcas de Goianésia e de Aparecida de Goiânia. Já Wésley Lacerda Macedo, o Rato, que havia acabado de deixar a Casa de Prisão Provisória, possui várias passagens pelos crimes de homicídio e roubo. Os dois suspeitos foram recolhidos ao Centro de Inserção Social de Jaraguá, onde permanecem à disposição da justiça.

Marco Antônio Maia, delegado regional da 15ª Delegacia Regional de Polícia e coordenador do GENARC reconhece o empenho dos policiais civis que ficaram mais de 48 horas ininterruptas para conseguirem êxito nas prisões dos acusados. O delegado agradece ainda o grande apoio dos policiais rodoviários federais lotados no posto policial de Jaraguá, imprescindíveis nesta operação policial.

Texto: Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
Foto: Polícia Civil / GENARC / Goianésia