Genarc, de Posse, leva para a cadeia jovem autor de homicídio que vive em estilo “Vida Loka”

844
Gleison Castro Feitosa

Policiais Civis do Grupo Especial de Repressão a Narcóticos – GENARC, de Posse, foram até a cidade de Iaciara, na última segudna-feria, 22.04, para investigar um crime de homicídio que tinha acontecido na madrugada do dia 20, tendo como vítima Nilson de Oliveira, de 35 anos, assassinado por Gleison Castro Feitosa, de 18 anos.

O Delegado de Polícia Fernando Luiz Takemoto Zibordi, Coordenador do Genarc,  disse  que na madrugada de 20 de abril, sexta-feira, por volta de meia noite, Nilson encontrava-se bêbado, deitado em via pública, quando fez uma proposta para Gleison, que passava pelo local. A vítima ofereceu R$ 10,00 em troca de sexo oral. Gleison não deu atenção e seguiu em direção a casa da namorada e, após 4 horas, quando retornava pra sua casa passou pelo mesmo local. Nesse momento, Nilson chamou Gleison de “filho da puta”.

Irritado, Gleison Castro foi pra cima da vítima, desferindo um soco em seu rosto. Nilson de Oliveira caiu no chão e Gleison sacou uma faca tipo “peixeira” e tentou perfurar-lhe o pescoço, tendo, inclusive, dito: “Esta porcaria de faca não entra…” O autor tentou perfurar o abdômen da vítima, não obtendo êxito no primeiro momento. Na sequência, Gleison virou a faca de lado e passou a fazer cortes profundos no braço da vítima e, com uma forte estocada, conseguiu enterrar a lâmina na lateral abdominal da vítima. Por fim, Gleison Castro deu um golpe de misericórdia no pescoço de Nilson e foi embora do local.

Tatuagem na mão esquerda do autor do crime indica seu estilo de vida

Em razão da brutalidade com que o crime ocorrera, os Policiais Civis se deslocaram até a cidade de Iaciara e, em diligências ininterruptas, falando com pessoas da comunidade e traçando o possível trajeto que a vítima fizera naquela noite, chegaram ao conhecimento de que Gleison havia passado pelo mesmo caminho durante a madrugada, Ele teria até comentado, com certo entusiasmo, ter sido o autor do crime.

Foram colhidos vários testemunhos durante o dia 22, sendo que ao final da tarde o Juiz de DIreito  daquela Comarca concedeu à autoridade policial Mandado de Prisão Preventiva, tendo em vista que o criminoso já demonstrava indícios de tentar se evadir da localidade. A medida cautelar foi cumprida de imediato pelos policiais envolvidos no caso.

Fernando Luiz Takemoto Zibordi ressalta que, apesar das grandes dificuldades encontradas com a falta de policiais, não foram medidos esforços para que o autor do crime brutal ocorrido naquela cidade fosse devidamente identificado e recluso preventivamente.

Outro fato que levou à identificação da autoria do crime refere-se ao passado de Gleison.  Conforme o Delegado Fernando Takemoto, ele tinha costumes de andar com lâminas e constantemente se envolvia em brigas na região, sendo que já havia esfaqueado outra pessoa  tempos atrás, quando ainda era menor. Na Delegacia de Polícia,  notou-se que Gleison Castro Feitosa possuía duas tatuagens, ambas com os dizeres “Vida Loka”, demonstrando o estilo de vida que levava.