Cadeia: Genarc prende três por tráfico e identifica autores de furtos a residências e comércios

459
Ladrões e traficantes presos

Policiais Civis lotados no Grupo Especial de Repressão a Narcóticos – Genarc, de Goianésia, nos dias 03 e 04 últimos, realizaram diligiências com o objetivo de coibir os furtos a residências e comércios em Goianésia, que nos últimos dias havia registrado um aumento nos registros de boletins de ocorrência. Durante as ações,  o grupo identificou os principais autores dos furtos e recuperaram objetos e eletroeletrônicos, que eram trocados por drogas em vários pontos de vendas de drogas na cidade. Foram presos Rogério Rodrigues Silva, o Cabeção, 18 anos, Adriano Lima de Oliveira, 18 anos e Júlio César Siqueira, o Jalão, também com l8 anos e com eles foram apreendidos 03 notebooks, 03 vídeo games, 04 televisores, 02 dvd player, 02 botijões de gás.

Foi durante as diligências para a recuperação dos objetos furtados, que os policiais prenderam mais três traficantes, no momento em que os autores dos furtos trocavam os objetos pelas drogas. A primeira autuação aconteceu no início da madrugada do dia 04, quando o reeducando do regime semiaberto, Elizoberto Júnior Alves de Oliveira, o Baleado, de 20 anos, trocou um vídeo game x-box por 50 reais de crack, com os autores dos furtos. Na residência de Elizoberto,  foram encontradas várias porções de crack, além do valor de 310 reais em dinheiro. O traficante foi autuado por receptação e tráfico de drogas. Ele está condenado pelo crime de homicídio ocorrido em 2010, e passou a cumprir pena no regime semiaberto, período em que passou a traficar droga em Goianésia. O mesmo foi recolhido no CIS – Goianésia à disposição da Justiça local.

A segunda autuação ocorreu às 10h20 da manhã do mesmo dia, no bairro Carrilho. Os policiais estavam em busca do notebook furtado e presenciaram dois elementos suspeitos, que já estavam sendo investigado por tráfico, negociando drogas em frente de uma casa na rua 28. Os policiais fizeram buscas pessoais em José Airton Souza, o Schimitd, 21 anos e em Antônio Teodoro Neto, o Tôezinho, 35 anos, com eles foram apreendidos várias porções de crack, que Schimitd entregaria para Tôezinho. Este também cumpria pena no regime semiaberto, pelos crimes de roubo e tráfico de drogas. Ficou quase seis anos no regime fechado,  sua pena total é de 32 anos de reclusão e ficará no regime fechado pelo menos 9 anos, para conseguir voltar ao regime semi-aberto.

Já  Schimitd, nasceu no Piauí, não possui antecedentes criminais, ele está sendo  investigado por ser acusado de pertencer a quadrilha de traficante preso em março, que controlava a maior boca de fumo na cidade (segundo informações da polícia, Schimitd é um dos auxiliares de Jheferson Donizeth de Alcântara, que foi preso em Niquelândia no mês passado, desde a fuga de Jeferson para Niquelândia, onde foi preso, Schimitd assumiu os negócios do comparsa). Schimitd e Tõezinho foram autuados por tráfico e associação para o tráfico de drogas e estão à disposição da justiça.

De acordo com o  delegado titular do GENARC de Goianésia, as diligências não encerraram e a equipe de policiais estão à procuram de mais objetos que foram furtados e mais traficantes que deverão ser presos.

Perfil e modos de agir dos autores dos furtos

Em conversas informais com agentes do GENARC os acusados de furtos relataram  como são os critérios que usam na escolha das casas e/ou locais que vão furtar: Durante o dia observam casas que aparentemente não há ninguém. Para tirarem a dúvida batem palmas , se alguém aparece pedem água, serviço ou informação, mas sempre observando o que tem e como entrar na casa. Vão embora e  voltam em outra oportunidade;  se ninguém aparecer,  um deles adentra ao imóvel,  o outro fica do lado de fora observando para dar o aviso, assoviando, caso  alguém apareça. À noite preferem imóveis com cerca elétrica, muros altos, e portões fechados e usam a artimanha de bater palmas, observam se no imóvel possui antena de internet, pois segundos eles, preferem furtar  notebooks, joias ,armas de fogo e dinheiro. Em casas que possuem essas antenas com certeza encontrarão os notebooks, mas quando estão sob abstinência do crack não escolhem o local onde vão cometer os furtos, não temem nem cachorros ferozes, estes que são os inimigos número um dos larápios. Alguns comparsas destes já cometeram furtos em igrejas,  escolas públicas, na APAE, dentro da promotoria, no conselho tutelar, em casas e veículos de policiais e até na delegacia. Já subtraíram drogas de traficantes,  que as escondia em matagais.

Geralda Ferraz – Escrivã de Polícia