Polícia Civil: GIH prende suspeitos de terem assassinado fazendeiro em Luziânia

367
W
W.C.C., Junio Nunes e André da Silva

Policiais civis do Grupo de Investigação de Homicídio (GIH) de Luziânia deflagraram, na madrugada do dia 7 de abril de 2015, uma operação denominada “Araponga”, em três fazendas na zona rural, naquele município. Na ação, foram presos, em cumprimento a dois mandados de prisão temporária, Junio Nunes da Cunha e André da Silva Nunes e apreendido, em cumprimento a um mandado de internação, o menor W.C.C..

Os três são acusados de matar Pedro Rodrigues de Queiroz, então com 61 anos, em sua fazenda, na zona rural de Luziânia, no dia 1º de setembro de 2014. A vítima, meses antes do homicídio, teve três armas de fogo subtraídas de sua fazenda, sendo que resolveu investigar o fato por conta própria, concluindo que Junio, André e WCC seriam os autores do furto das armas.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, os três, cientes de que haviam sido descobertos, foram até a fazenda da vítima, a agrediram, torturaram-na, deram um tiro em seu ouvido e atearam fogo no corpo. Ainda na fazenda, eles também teriam ateado fogo no veículo VW/GOL de propriedade da vítima.

Os acusados estão à disposição da justiça e as investigações por parte da Polícia Civil continuam. Participaram da operação os policiais civis Brasiliano, André, Leandro Costa, Divanilson e Oswaldo, do GIH, com o apoio dos policiais civis Paulo Henrique, Wiliam e Leandro Neves, do Grupo Especial de Repressão a Narcóticos (GENARC), todos sob a coordenação do delegado titular do GIH, Eduardo Gomes.

Texto: Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
Foto: Polícia Civil / GIH / Luziânia