GIH/Genarc de Novo Gama: 100% de homicídios resolvidos entre janeiro e junho de 2017

659

Para delegado titular do grupo especializado, sintonia entre policiais e investigação imediata ao fato são principais fatores para desempenho

IMG_0262
Danillo Martins, titular do GIH/Genarc de Novo Gama

O Grupo de Investigações de Homicídios e de Repressão a Narcóticos (GIH/Genarc) de Novo Gama, coordenado pelo delegado Danillo Martins Ferreira, fechou o primeiro semestre deste ano com todos inquéritos relativos a homicídios concluídos e enviados com autoria definida ao Poder Judiciário. Ele esteve reunido com o delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, Álvaro Cássio dos Santos, acompanhado do titular da 5ª Delegacia Regional de Polícia Civil (DRPC), delegado Rodrigo Mendes, e do titular do GIH de Luziânia, delegado Maurício Passerini.

De acordo com Danillo Martins, o GIH/Genarc de Novo Gama enviou ao Judiciário 26 inquéritos entre janeiro e junho deste ano. Nesse período, foram cumpridos 23 mandados de prisão em desfavor de indiciados por homicídio no município. Como o grupo também atua na repressão ao crime de tráfico de drogas, foram realizados também 10 cumprimentos de mandados de prisão contra investigados por esse delito no mesmo período.

Entre os casos de maior impacto, o titular do GIH/Genarc de Novo Gama destaca um duplo homicídio contra um casal ocorrido na Vila Brasília, no qual a dupla de assassinos ateou fogo à residência das vítimas e praticou atos de violência contra a mulher.

Para a autoridade policial, os principais fatores que contribuíram para que o GIH/Genarc de Novo Gama atingisse esse desempenho foi a sintonia na equipe de policiais e a resposta rápida à ocorrência do fato criminoso. “O trabalho em equipe de forma harmoniosa é fundamental. Nosso procedimento de investigação imediata, logo após a ocorrência do fato, de modo a colher as provas quando elas estão mais evidentes, contribui para esse resultado que alcançamos”, salienta Danillo Martins.

A equipe coordenada pelo delegado é formada pelos agentes Francisco Bezerra, Carlos Walber, Carlos Vasconcelos e Vinícius Bueno e pelos escrivães Felipe Moreira, Eduardo Ferreira e Glaucimar Carvalho.