Grupo de ciganos suspeito de estelionato é preso em São Luís

1583
ciganos
Ciganos detidos em São Luís

A Polícia Civil de São Luís de Montes Belos, com o apoio da Polícia Militar, prendeu, no dia 16 de outubro, um grupo de ciganos suspeito de aplicar golpes no comércio da região. Informações que chegaram à polícia davam conta de que os suspeitos teriam realizado compras a crediário em estabelecimentos de Iporá e que seguiram para São Luís para prática semelhante.

De acordo com as informações levadas à polícia, os ciganos realizavam compras a prazo em nome de terceiros e emitiam cheques de duas contas bancárias já encerradas. De posse das característica do grupo, uma equipe do GPT (da Polícia Militar) realizou a abordagem do mesmo, já em São Luís. Equipe da Polícia Civil chegou logo em seguida. Os quatro indivíduos abordados estavam numa caminhonete Amarok 2014 e negaram que tivessem feito compras em Iporá.

Diante do cerco policial, porém, eles apontaram dois endereços que possuíam em São Luís. A Polícia Civil e a Polícia Militar conjuntamente realizaram buscas nos referidos endereços, onde apreenderam um revólver calibre 38 com 20 munições intactas, mais de R$ 31 mil, vários cartões de múltiplos bancos em nomes de diversas pessoas, uma máquina de cartão, várias joias e vários objetos, entre malas, roupas, calçados.

ciganos2
Objetos e dinheiro recuperados

Na ocasião, foram presos Ana de Oliveira, Gilsania Pereira da Silva, Janete Alves Fonseca, Rodrigo Pires de Sousa, Luís dos Santos, Jean Carlos da Costa, e apreendidas as menores D.V.C e V.A.S. Durante a realização das diligências, várias vítimas da associação criminosa compareceram à Delegacia de São Luís, onde reconheceram os criminosos e objetos.

Segundo o delegado Victor Pereira Avelino, este é um típico caso em que a Polícia conseguiu antecipar a ação dos bandidos, evitando a realização da prática criminosa pelo menos em São Luís. De acordo com ele, na maioria das vezes, esse tipo de golpe só é descoberto depois, quando da ausência de fundos dos cheques ou do não pagamento das parcelas vincendas do crediário.