Inaugurada a nova sede da Escola Superior da Polícia Civil, a mais moderna de todo o Brasil

947
Fachada da moderna sede da Escola Superior da Policial Civil, cuja obra foi inaugurada hoje
Fachada da moderna sede da Escola Superior da Policial Civil, cuja obra foi inaugurada hoje

 

A nova sede da Escola Superior da Polícia Civil de Goiás (ESPC), foi  inaugurada às 1desta sexta-feira, dia 25, pelo governador Marconi Perillo, com o conceito de educação profissionalizante policial mais moderno e completo do Brasil. O reconhecimento é do Ministério da Justiça, por intermédio da Secretaria Nacional de Segurança Pública, durante inspeções realizadas na escola, que se torou conhecida e respeitada em todo o Brasil como Academia da Polícia Civil. O espaço físico multifuncional e a metodologia proposta da Escola Superior da Polícia Civil vêm influenciando até a formatação da Escola Nacional de Polícia.

A ESPC tem 44 mil metros quadrados de área total, sendo 22 mil metros de área construída. Possui nove salas de aula climatizadas e informatizadas, biblioteca com cerca de mil títulos relacionados às ciências sociais, universo jurídico e quase toda bibliografia disponível sobre conceitos policiais, laboratório de informática com 40 máquinas, alojamento padronizado (com duas ou três camas tipo box, armário, frigobar, ar-condicionado e internet wi-fi) com capacidade para 66 pessoas.

E, ainda, sala virtual que permite, por meio de teleconferência, a inter-relação com 300 pontos espalhados pelo Estado, destinada a vídeo aulas, reuniões a distância e outras necessidades da Polícia Civil. Conta ainda com estrutura administrativa, sala dos professores, refeitório; academia de ginástica, área de corrida, torre de rapel, campo de futebol, piscina, parque cenográfico para simulação de atividades policiais do Brasil – com cenários que simulam prédios públicos e privados, via pública, que são ambientes de ocorrência de crime, onde os policias poderão simular conflitos, investigações e relatório de local de crime.

Um dos destaques é o estande de tiro virtual fechado. Trata-se do maior do Centro Oeste, o mais revolucionário da atualidade, semelhante à polícia da Alemanha, sendo que apenas duas unidades policiais no Brasil utilizam da mesma tecnologia. A nova sede da Escola Superior da Polícia Civil leva o nome do Delegado de Polícia Antônio Gonçalves Pereira dos Santos.

Grade curricular
Na parte pedagógica, foi desenvolvido um projeto que contemplará a mais extensa grade curricular do Brasil, explica o diretor da ESPC, delegado de polícia Daniel Adorni. Segundo ele, a Matriz Curricular Nacional, que prevê a formação dos policiais do Brasil, possui 73 disciplinas, e a matriz da ESPC já conta com mais de 200 disciplinas exclusivas para o ensino policial, ressalta o diretor.

No banco de professores há 150 cadastrados e que estão em processo de capacitação na área de formação de formadores e na área de atuação específica disciplinar. O conhecimento foi dividido em seis áreas, ligadas à gestão policial, à atividade meio e finalística, ao policiamento especializado e ordinário, às telecomunicações, à informática, e às áreas técnico operacional e científica.

“Nossa missão na ESPC é transformar pessoas comuns em policiais civis e, baseados em valores como conhecimento, disciplina, inovação, ética, compromisso, igualdade e eficiência, desejamos ser referência nacional na gestão acadêmica do conhecimento e na excelência organizacional”, ressalta Daniel Adorni.

A ESPC leva o nome do delegado Antônio Gonçalves, que morreu no acidente do helicóptero da Polícia Civil, ocorrido no ano de 2012. “Antônio Gonçalves é fonte inspiradora pois queremos educar pela simplicidade, ética e paixão pelo trabalho, assim como ele o fez durante sua vida policial”, finaliza o diretor da Escola Superior de Polícia Civil de Goiás. A nova Academia da Polícia Civil fica na Avenida Planalto, no Jardim Bela Vista, em Goiânia.

Discursaram na solenidade de inauguração da Escola Superior da Polícia Civil, o Governador Marconi Perillo, o Secretário da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Joaquim Mesquita, a Secretaria Nacional da Segruança Pública, Regina Miki, o Delegado Geral da Polícia Civil, João Carlos Gorski, e o Diretor da ESPC, Daniel Adorni.  A solenidade contou com as presenças ainda de autoridades políticas, como os Deputados Federais e Delegados de Polícia, João Campos e o Delegado Waldir, além de centenas de policiais, entre Delegados, Agentes e Escrivães.

Marconi anuncia concurso da Polícia Civil
Sem indicar quantas vagas serão abertas e quando será realizado, o governador Marconi Perillo anuncia um novo concurso para a Polícia Civil (PC). Além disso, o governador disse que irá convocar os excedentes do concurso da Polícia Militar realizado em 2012, mas também sem mencionar a data. Esses anúncios foram feitos pelo mandatário estadual durante a inauguração da Escola Superior da Polícia Civil do Estado de Goiás (ESPC), ocorrida ontem no Jardim Bela Vista, em Goiânia. Estiveram no evento a secretária nacional de segurança pública, Regina Miki; o secretário de Segurança pública de Goiás, Joaquim Mesquita; e outras autoridades pública. Também estiveram presentes familiares do delegado Antônio Gonçalves dos Santos, que dará nome à nova Academia da Polícia Civil de Goiás. O delegado foi morto em maio de 2012, quando um helicóptero caiu no município de Piranhas, noroeste do Estado. O acidente também causou a morte de outros quatro delegados, dois peritos criminais e de Aparecido Souza Alve, suspeito de ser o autor de uma chacina na cidade de Doverlândia, crime ocorrido em 2012.

As medidas anunciadas por Marconi prometem ser uma tentativa de reduzir o déficit de efetivo nas duas corporações. Segundo dados da própria Polícia Civil, a carência de profissionais na instituição, entre delegados, agentes e escrivães, seria de quase três mil (2,9 mil). Um dos resultados disso é que pelo menos 130, dos 246 municípios goianos, estão sem delegados. A falta de efetivo na PM também é grave. Conforme a lei 17.866, de 19 de dezembro de 2012, o Estado deve ter um número superior a 30 mil policiais militares. Porém, para cumprir a lei, faltam cerca de 18 mil PMs.

Procedimentos
O secretário de Segurança Pública Joaquim Mesquita explica que para a realização do concurso para a Polícia Civil, existe uma série de procedimentos administrativos, mas que o governador autorizou efetivamente a realização do certame para contratação de agentes. “Para que possamos realizar um novo concurso e aumentar cada vez mais o efetivo, assim como já fizemos na Polícia Militar, na Polícia Técnico-Científica, no Corpo de Bombeiros, no Sistema Prisional, e no concurso da própria Polícia Civil, realizado ano passado”.

Mesquita também se disse satisfeito com a futura convocação dos excedentes do último concurso da Polícia Militar, realizado ainda em 2012. “Não temos prazo definido para chamar estes agentes porque existem pequenos trâmites burocráticos a serem obedecidos, mas nos próximos dias teremos condições de chamá-los”. Ele não especificou quantos aprovados serão convocados.

Parcerias
Em seu discurso, o governador Marconi Perillo disse que tem feito parcerias com o Ministério da Justiça não só para a construção da escola, mas também em muitas outras ações. “O grande beneficiário dessa ação conjunta é o cidadão comum, usuário do sistema de segurança”. Ele disse que o Ministério da Justiça e a secretaria nacional de Segurança pública colocaram um aporte muito significativo de recursos, sem o qual não teria sido possível a construção da academia.

Nova academia é marco, diz secretário
O secretário Joaquim Mesquita considerou a inauguração da Escola Superior da Polícia Civil do Estado um marco para a Segurança Pública em Goiás. “Inauguramos hoje a melhor Academia de Polícia do Brasil, fruto de empenho e de recursos do governo do Estado e do Governo Federal”. Ele afirma que a nova escola tem toda a estrutura para o processo de formação e capacitação dos policiais civis e que é uma academia que será utilizada tanto por policiais civis e pelos servidores das demais forças policiais. “Inclusive de instituições parceiras e guardas civis metropolitanas”.

A escola, de acordo com Mesquita, irá atender todas as áreas necessárias à formação de agentes como ensino e também simulação de ambientes em que a polícia atua, de stands de tiros e de educação física. “Enfim, para todos os processos de formação do policial para que ele esteja preparado para atuar”.

Texto: Norton Luiz Ferreira – Assessor de Comunicação da Polícia Civil, com o Site Notícias de Goiás
Foto: Wesley da Silva e Humberto da Silva