Iniciativas da Polícia Civil contribuem para queda nos índices de criminalidade em Goiás

503
carnaval seguro
Carnaval Seguro

Goiás registrou em fevereiro, pelo segundo mês seguido de 2017, recuo em todos os 12 índices de criminalidade. De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) os dados são resultado de trabalho integrado entre todas as forças de segurança. A Polícia Civil colaborou diretamente por meio de operações como Sicatorium, Carnaval Seguro, Conúbio e integrada na região Oeste (PC e PM).

Relatório do Observatório da SSPAP já indicava tendência de queda geral dos crimes, em comparação com o mesmo período do ano passado. A intensificação do trabalho desenvolvido pela PC, juntamente com o departamento de inteligência, mais a Polícia Militar e demais forças, tem responsabilidade direta nestes resultados.

No último dia de janeiro, a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos (Derfrva), deflagrou a Operação Sicatorium. No total, foram cumpridos 14 mandados de prisão, dois de condução coercitiva e 30 de busca e apreensão. O serviço de inteligência calcula que a associação criminosa era responsável pelo roubo de, pelo menos, 30 veículos.

De acordo com o delegado titular da Derfrva, Adriano Costa, “foi possível desarticular parte desta associação criminosa que atuava na região metropolitana de Goiânia”. Ele reforça que “os veículos roubados tinham dois destinos: ou iam para desmanche ou serviam como troca por drogas”. Os presos vão responder por associação criminosa, receptação de veículos e tráfico de drogas.

Carnaval Seguro

Ações da PC no interior contribuíram com a redução dos índices de criminalidade. Em Minaçu, no Noroeste Goiano, durante a Operação Carnaval Seguro, foram cumpridos três mandados de prisão preventiva. O objetivo da operação, que durou 10 dias, era capturar criminosos com mandados de prisão em aberto, visando diminuir os crimes durante as festividades, principalmente os delitos patrimoniais.

Wendson Ribeiro Ramos, conhecido como “Boca Preta”, foi preso pelo crime de furto qualificado. Gilmar Moreira de Deus foi capturado pelo crime de porte ilegal de arma de fogo. Já em desfavor de Laucione Rosa de Almeida foi cumprido mandado de prisão pela prática de roubo majorado. Segundo a Polícia Civil, as prisões contribuíram para a diminuição de índices criminais.

Operação Conúbio

Ainda em fevereiro, a Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc), deflagrou a Operação Conúbio 1, que desarticulou uma associação criminosa especializada em tráfico de drogas em Goiânia. No total, foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e 10 de prisão preventiva. A polícia também apreendeu mais de uma tonelada de drogas, dinheiro e armas de fogo.

Durante os três meses de investigação, a PC descobriu que o grupo traficava cocaína em diversos bairros da Capital. O nome da operação faz referência à estreita ligação entre os suspeitos. Foram detidos Renato Ribeiro de Souza, de 35 anos, Túlio Robson Ernesto da Silva, 28, Max Villank Aguiar de Macedo, 26, Cleyton Messias Leite, 34, Henrique Inácio Leite Abadia, 25, Nathalia Felipe de Melo Lourenço, 26, Moisés Luidy Santos Moura, 22, Karolayne Mota Duarte, 19, Valber Oliveira Andrade. 23, Eurípedes Júnior Santos, 29, e Wellington Araújo Wolff, 38.

Dos presos, Max, Renato e Wellington eram sócios e articulavam a compra e a comercialização da droga, que era armazenada e distribuída pelos demais integrantes da quadrilha, inclusive para pessoas de alto poder aquisitivo. Segundo apurado pela PC, o grupo adulterava a cocaína era adulterada para que o volume fosse aumentado. As drogas foram encontradas escondidas em vários locais, como aparelhos de televisão e tábuas de passar roupas.

Ação integrada

A PC realizou, também, uma operação integrada com a Polícia Militar, deflagrada na região Oeste de Goiânia, que tinha como objetivo combater o pequeno tráfico de drogas, dando cumprimento a 15 mandados de busca e apreensão domiciliar. O resultado da ação foram três prisões em flagrante: duas por tráfico de drogas e uma por porte ilegal de arma de fogo de uso proibido.

Também foi lavrado um Boletim de Ocorrência Circunstanciado (BOC), procedimento destinado o registro de atos infracionais, e cinco Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs), todos por uso de substâncias entorpecentes. Também foram apreendidas cocaína, maconha e uma pistola calibre 9 milímetros de fabricação argentina.

A operação contou com a presença de 60 policiais civis, além do apoio da Polícia Militar. O coordenador da operação integrada, delegado Eduardo Gomes, parabeniza os delegados, agentes e escrivães que colaboraram para o êxito da operação.