Itumbiara: Concluídas investigações sobre morte de Zé Gomes

451
paranaiba
Crédito: André Saddi/SSPAP

A Polícia Civil apresentou, na manhã desta sexta-feira (25), os resultados da Operação Paranaíba, que investigou as circunstâncias do episódio que resultou nas mortes do candidato a prefeito de Itumbiara, Zé Gomes, e do cabo da Polícia Militar, Vanílson João Pereira, ocorridas em 28 de setembro, durante um ato político. A apresentação foi realizada no auditório do Tribunal do Júri do Fórum de Itumbiara.

Segundo a Polícia Civil, Gilberto do Amaral, o Beba, autor dos disparos, agiu sozinho a partir de um surto de psicose etílica, ficando descartada a motivação de crime por uma recompensa. O atirador foi morto por seguranças logo após disparar contra os ocupantes da camionete que abria a carreata, onde também estavam o secretário de Segurança Pública e vice-governador, José Eliton; e o advogado da prefeitura, Célio Rezende de Faria, feridos no atentado, além de outros políticos.

O delegado Douglas Pedrosa, responsável pela Operação Paranaíba, afirmou que Polícia Civil acredita “que, dentro da mente do Gilberto, ele se sentia perseguido, independente de ter ou não motivo para isto”, afirma. “Ele era uma pessoa conturbada e de caráter duvidoso”, diz. “Era uma pessoa que cometeu um ato de barbárie contra pessoas de bem”, avalia. “As provas que nós coletamos durante o período de investigação nos aponta a este desfecho”, conclui.

Participaram da apresentação o delegado-geral da PC, Álvaro Cássio dos Santos, além dos delegados Alécio Moreira, Danilo Fabiano, Murilo Polati, Vinícius Pena, Rogério Moreira da Silva, Dannilo Proto, Thiago Martiniano, Lucas Finholdt, André Viana, Douglas Pedrosa, Gustavo Carlos Ferreira e Ricardo Chueire. O prefeito eleito por Itumbiara, deputado Zé Antônio, também participa da apresentação.