Jataí: Áudio enviado à Polícia Civil ajudou na identificação de autores de atentados

404
atentados
Sete ônibus foram incendiados

Um áudio enviado à Polícia Civil na última quarta-feira (02), por um jornalista, deu início à investigação que culminou com a apreensão de três adolescentes responsáveis pela onda de incêndios e atos de vandalismo ocorridos em Jataí na última terça-feira (1º).

Durante a apresentação de uma programa de televisão, o apresentador recebeu áudios de whatsapp onde o autor chamava os policiais de “diabo de farda”, além de outras ofensas à corporação. Imediatamente o jornalista enviou o material à Polícia Civil de Jataí que descobriu que o autor se tratava de Dione Lopes Barreto, 28 anos.

Em ação conjunta, policiais civis do Genarc/Gepatri de Jataí e o Grupamento Aéreo da Polícia Militar localizaram Dione e tomaram seu depoimento. Na ocasião, ele alegou que enviou os áudios  por ordem de um detento chamado Rafael Freire Carvalho, conhecido como “Rafael Bosta”, mas que não participou dos atentados.

Dione ainda prestou informações sobre um adolescente possivelmente autor dos incêndios. Após a identificação do adolescente, a DEPAI de Jataí representou por sua internação e realizou diligências no objetivo de apreendê-lo. No início da tarde de quinta-feira (03), ele foi localizado pela Polícia Militar. A partir daí foi possível apreender outros dois menores que também participaram dos incêndios e, ainda, efetuar a prisão de mais dois adultos por tráfico de drogas, porte e posse de arma e receptação.

De acordo com o delegado regional, Marcos Guerini, a colaboração do repórter que enviou o áudio à Polícia Civil foi essencial para desvendar a autoria de parte dos incêndios. Guerini explica que o menor apreendido já possuía diversas passagens pela polícia e, por esse motivo, o mandado para sua internação já havia sido solicitado ao Poder Judiciário. Acrescenta que a autoria dos atentados não foi totalmente esclarecida. “Identificamos os autores dos incêndios nos ônibus. Ainda resta saber os responsáveis pelos incêndios dos caminhões e do orelhão”, emenda.

Ao todo, sete ônibus, dois caminhões e um telefone público foram incendiados e as portas da Unidade Prisional foram atingidas por disparos de arma de fogo. A Polícia Civil não confirma a ligação dos atentados com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). “O Rafael, que comandou os ataques é daqui, nasceu aqui e não há nenhum elemento de que a ação tenha sido orquestrada pelo PCC”, reforça o delegado.

Segundo Guerini, um dos autores dos disparos na porta do presídio já foi identificado. Policiais Civis da 2ª Delegacia Distrital de Jataí representaram por sua prisão temporária, que já foi deferida, mas ele está foragido. Todas as perícias nos locais dos crimes foram acompanhadas por policiais da 1ª Delegacia Distrital de Jataí. A Polícia Civil organizou uma grande “força-tarefa” envolvendo todos os policiais de Jataí visando o rápido esclarecimento dos fatos.