Polícia Civil: Jovem confessa ter matado dois ao tentar roubar carro para poder ir à uma festa

354
ricardo lemos
Ricardo Lemos da Silva

A Polícia Civil apresentou nesta quinta-feira (17) Ricardo Lemos da Silva, de 19 anos, que confessou ter matado o comparsa e o dono de um bar, ao tentar roubar um carro para ir a uma festa, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana. O proprietário do veículo também foi baleado, mas sem gravidade.

Foragido desde o dia do crime, no dia 7 de março deste ano, o rapaz disse que, se pudesse voltar no tempo, não teria cometido o latrocínio, que é roubo seguido de morte.

“Estou muito arrependido do assalto. Era para ser só o assalto, mas o dono do bar reagiu, assustei e atirei. Fui saber que eles tinham morrido uma semana depois”, contou durante a apresentação.

Ele foi preso no último dia 11, em Itapaci, a 222km de Goiânia. O jovem estava escondido na casa de um cunhado. A polícia chegou até o local depois que os agentes da cidade localizaram e identificaram o rapaz. Segundo o delegado responsável pelo caso, André Bottesini, o jovem chamou um menor de 14 anos para roubarem um carro, um EcoSport, a fim de irem para uma festa.

“Ao se aproximarem do bar, viram o carro, entraram no estabelecimento e roubaram a chave e o celular de um dos clientes, que estava com a esposa. O menor assumiu a direção e o Ricardo foi para o banco do passageiro”, explicou o delegado.

                                                                         Disparos
Entretanto, o menor não conseguiu ligar o carro e obrigou o dono a ir até o veículo e dar a partida. Nesse momento, o dono do bar, Edgar Rodrigues, de 45 anos, reagiu e tentou segurar o menor. “O Ricardo estava armado com um revólver e, assustado, efetuou vários disparos contra o comparsa, o dono do bar e o proprietário do veículo”, contou Bottesini.

O menor morreu na hora. O dono do bar chegou a ser socorrido, mas morreu no hospital. Já o proprietário do veículo foi baleado na perna. Depois do crime, o suspeito fugiu a pé. O jovem detido não tem passagens pela polícia, mas confessou já ter cometido vários assaltos. Ele também é investigado pela polícia por um homicídio. Ricardo foi indiciado por duplo latrocínio. Se condenado, pode ficar preso por até 50 anos.