Jovem é presa após provocar aborto e abandonar feto em banheiro de UPA

408

ernaniA Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH), prendeu uma jovem de 22 anos suspeita de fazer um aborto de um feto e o abandonar no banheiro de uma unidade de saúde de Goiânia. Ela é bacharel em direito e estudava em um cursinho da capital para o exame da Ordem dos Advogados do Brasil. Segundo a polícia, nenhum parente sabia da gravidez.

O crime aconteceu no domingo (21). Funcionários da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jardim Curitiba encontraram o feto, que tinha entre cinco e seis meses e pesava mais de um quilo, na lata de lixo do banheiro e chamaram a polícia. Após investigação, chegaram até o endereço da suspeita, que nasceu em Darcinópolis (TO), mas morava em Goiânia na casa de tios. Em uma busca pela residência, encontraram a jovem escondida dentro de um banheiro.

“A jovem disse que pesquisou na internet medicamentos contraindicados para gestação e tomou uma grande quantidade deles. No sábado à noite ela começou a se sentir muito mal e procurou atendimento, mas não disse para os médicos que estava grávida nem que tinha tomados os remédios”, explicou o delegado responsável pelo caso, Ernani Cazer. Durante o atendimento, a mulher foi até o banheiro da unidade, onde o feto foi expelido. O delegado explicou que ela o deixou na lata de lixo, ligou para os tios e foi embora.

À polícia, a jovem disse que a gravidez aconteceu após ter um relacionamento com um homem que mora em Araguaína, também no Tocantins e que não queria o bebê porque estava passando por um momento difícil e não tinha condições de criar um filho. A jovem, que foi internada no Hospital Materno Infantil, para tratamento pós-aborto, vai responder por aborto. A pena para esse crime varia de um a três anos.